RIC (Iniciação Científica) – USJT

Caro aluno do RIC da Universidade São Judas Tadeu – turma INI 1A 2009!  É com grande alegria que reservo, para vocês, esse post.

Ontem, dia 25,  solicitei a todos os alunos que, trouxessem para a aula de hoje, uma breve justificativa de sua pesquisa e levantasse o problema de seu tema. A pesquisa científica só tem sentido se for para responder uma inquietação interna do pesquisador (em nosso caso).

Para esta aula, indico a leitura de parte da  dissertação  de mestrado de Célia Teixeira “O CONHECIMENTO DA LÓGICA UMA DEFESA DO RACIONALISMO”  da Faculdade de Filosofia de Lisboa.

Atividades para hoje 26/03/2009 ( individual)

  1. Poste, na janela comentário do blog, o problema de seu trabalho;
  2. Leia  a introdução do trabalho acima (apenas a introdução);
  3. Encontre: o(s) objetivo(s), a justificativa,  o problema e as  hipóteses.
  4. Poste outro comentário com o problema e as hipóteses do trabalho da Célia Teixeira.

Esses três aspectos devem constar na  introdução de todo trabalho acadêmico. O leitor tem o direito de entender do que se trata a pesquisa.

Boa leitura pessoal!

Profª Elisa Kerr

Anúncios

17 Respostas to “RIC (Iniciação Científica) – USJT”

  1. Andréa Milite Says:

    PESQUISA DE CÉLIA TEIXEIRA – O CONHECIMENTO DA LÓGICA UMA DEFESA DO RACIONALISMO.

    * PROBLEMA: O problema do qual ela pretende ocupar no decorrer de seu estudo consiste em saber como conhecer as regras de inferência da lógica

    Elisa, não havia trabalho mais fácil para nós estudarmos???? Achei muito dificil e complicado o tema. Já tenho dificuldade em achar as hipóteses, ainda mais com esse tema que foge totalmente da minha área.
    Eu li e pouco entendi. NA aula de terça conversaremos mais sobre ele e assim tiro as minha dúvidas.

    • Elisa Kerr Says:

      Olá Andréia,
      Ótimo que vc achou isso! E gostei mais ainda do comentário. A elaboração dessa dissertação é muito boa para pensarmos bem na elaboração de nossas idéias. “Conhece-te a ti mesmo” para que vc possa escrever de forma coesa e clara e, que todos possam também, compreender a lógica de seu pensamento. Pensar que sabe pensar, não é garantia de realmente saber pensar e muito mesmo de se expressar.

  2. Andréa Milite Says:

    1. Descrição do problema do tema: Metodologia do Ensino de Literatura Portuguesa para o 1º ano do colegial em escola pública.

    Tenho em vista que para a maioria dos alunos, principalmente alunos de escolas públicas, a literatura é uma matéria que pouco interessa a eles, a justificativa do trabalho está em justamente despertar um interesse múltiplo neles para a leitura, o entendimento sobre o teatro português da época e principalmente aprenderem a entender os escritores, que para muitos, são dificílimos de serem compreendidos.
    A partir destes problemas detectados, pretendo implantar um novo método de ensino nas escolas estatuais e assim desenvolver estudades mais leitores e criticos em relação a sociedade.

  3. Suélen Nery Says:

    PESQUISA DE CÉLIA TEIXEIRA

    PROBLEMA
    ¨ O problema de que nos iremos ocupar no decorrer deste estudo consiste em saber como conhecemos as regras de inferência da lógica. Por exemplo, como sabemos que se for o caso que P e se for o caso que se P, então Q, podemos inferir que Q? Aparentemente, para sabermos isto não precisamos de recorrer à experiência, ou seja, parece que o pensamento é tudo o que basta para nos justificar a acreditar na validade de tal inferência. O que isto significa, é que, aparentemente, o nosso conhecimento das regras de inferência da lógica é a priori. Dado que algo é conhecível a priori se puder ser conhecido independentemente da experiência, a questão é saber como sabemos que é correcto usar as regras válidas de inferência da lógica sem apelar a quaisquer indícios empíricos.

    HIPOTESE
    Explicar a possibilidade do conhecimento a priori não é tarefa fácil. Mas explicar a possibilidade do conhecimento a priori da lógica é ainda mais complicado. Antes de mais, convém esclarecer que a questão sobre o conhecimento da lógica não é acerca de qualquer lógica em particular. A questão não é saber qual a melhor lógica, se a clássica ou a intuicionista ou outra qualquer2. Essa é uma questão lógica e não epistemológica. Neste tipo de discussão, toma-se como premissa a ideia de que seja qual for a lógica que usamos para raciocinar, ela terá um conjunto de regras primitivas, isto é, regras não deriváveis de quaisquer outras. O problema epistemológico é saber como conhecemos essas regras primitivas de inferência. E essa é a questão filosófica tradicional do conhecimento da lógica.

  4. Suélen Nery Says:

    PROBLEMA DA PESQUISA: A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO.

    Pretendo ao longo da minha pesquisa verificar as diferenças existentes, entre as mulheres do século XIX, XX e início do século XXI, suas relações e valores para a sociedade paulistana em suas respectivas épocas. O meu objetivo é descobrir por quais razões que levaram as mulheres a ingressar no mercado de trabalho e a querer mudar aquela imagem submissa; desvendar quais foram suas conquistas no mercado de trabalho e na sociedade; as dificuldades que enfrentaram por causa da discriminação; quais foram as suas conquistas com relação as leis trabalhistas; Quais alterações ocorreram em sua imagem do século XIX ao inicio do século XXI; quais obstáculos superaram com relação ao trabalho e porque demoraram tanto tempo para entrar definitivamente para o mercado. A mulher passou a ocupar um papel mais representativo na sociedade a partir do final do século XIX, houve muitas transformações importantes na atitude feminina, por exemplo, quando as mulheres foram às ruas protestar por direitos de igualdade para com os homens. A partir, daí as mulheres passaram a trabalhar nas indústrias, sendo vistas como mão-de-obra representativa, papel este exercido apenas pelos homens anteriormente. Por isso o problema da pesquisa é descobrir:
    ¨ Quais foram os fatores que contribuíram para que hoje a mulher paulistana tenha um papel importante no mercado de trabalho ¨?

  5. Rodrigo de Souza Fagundes Says:

    Célia Teixeira na sua Dissertação de Mestrado, teve como objetivo questionar a validade da lógica. O problema apresentado pela autora
    foi a dificuldade de justificar a lógica sem utilizar regras primitivas da própria lógica.

    Ela afirma que pretende concluir que não se pode fazer justificativas racionalistas.

    A hipotese apresentada por ela foi a possibilidade de solucionar essa questão através da capacidade de intuição racional, uma questão que pode ser respondida como possivel ou não através de métodos cientificos e não filosóficos.

  6. Rodrigo de Souza Fagundes Says:

    O objetivo da minha pesquisa é abordar o processo de criação da animação virtual. Um dos motivos que me levou a escolha do tema
    foi a pouca abordagem sobre esse assunto aqui no Brasil em comparação as pesquisas realizadas no exterior.

    Compreendi essa necessidade depois que percebi que durante a produção de um desenho animado que pode ser aplicado a um filme publicitário, há necessidade de uma percepção visual capaz de notar como acontece o movimento dentro de um espaço de tempo, para que haja um registro de imagem em movimento convincente.

    Uma das hipóteses apresentadas foi a possibilidade de produzir novas combinações com texturas realisticas através dos avanços tecnológicos da Computação Gráfica, independente da existência real do objeto em cena.

  7. Rebeca Evelin Sales Silva Says:

    Justificativa
    “A dificuldade peculiar a essa questão consiste no fato de que tendo em conta que essas regras são primitivas, então qualquer tentativa de justificar como as conhecemos irá usar essas mesmas regras ou regras que destas dependem, acabando assim por usar a lógica para justificar a lógica.”

    Problema
    “O problema de que nos iremos ocupar no decorrer deste estudo consiste em saber como conhecemos as regras de inferência da lógica”.

    Hipótese
    “… parece que o pensamento é tudo o que basta para nos justificar a acreditar na validade de tal inferência”.

  8. Rebeca Evelin Sales Silva Says:

    1- Pretendo desenvolver o projeto a respeito dos malefícios culturais do Turismo em Não-lugares e quais são os fatores que ocasionam a criação destes.
    As perguntas pertinentes ao meu projeto são: Como o turismo produz o Não-lugar? Quais são os malefícios do Não-lugar ao turista?

    2- Trabalho da Célia Teixeira:
    Objetivo
    “O objetivo deste estudo consiste em mostrar a inevitabilidade das explicações racionalistas para a explicação do nosso conhecimento da lógica”.

  9. Edir Evaristo da Silva Says:

    Minha inquietação enquanto pesquisador partiu do interesse em compreender o porquê da existência de casos de êxito e de fracasso escolar. Na minha história pessoal, trago recordações de um vívido interesse pelo aprendizado e de prazer pelo ato de aprender. Mas o que dizer de quem hostiliza o ambiente escolar? De quem tenta mas não consegue aprender? No cenário escolar, a prática de profissionais que atuam com atividades de ensino ou aqueles que promovem intervenções de caráter psicológico, carece de uma compreensão mais ampla dos problemas que surgem em seu contexto, bem como de uma atitude reflexiva diante das soluções propostas pelo meio acadêmico. Nesta pesquisa, proponho um diálogo com as posturas críticas sobre o fracasso escolar, além de chamar atenção para aspectos contemporâneos que estão presentes nas relações de ensino e aprendizagem.

  10. Renée Says:

    Observações no texto: “Conhecimento da lógica: uma defesa do racionalismo

    Objetivo: “Mostrar a inevitabilidade das explicações racionalistas para a explicação do nosso conhecimento da lógica”.

    Justificativa: “Seja qual for a lógica que usamos para raciocinar, ela terá um conjunto de regras primitivas isto é, regras não deriváveis de qualquer outra”.

    Problema: “O problema de que nos iremos ocupar no decorrer deste estudo consiste em saber como conhecemos as regras de inferência da lógica”.

    Hipóteses: “A única forma de justificar o conhecimento da lógica é apelando a uma capacidade por este responsável”.

  11. Renée Says:

    Os problema da minha pesquisa está centrado na família e na escola. Mais especificamente a relação entre estas duas instituições da sociedade. Atualmente o Brasil está assolado pelo problema do fracasso escolar, e encontramos professores culpando famílias e famílias culpando o professor. Quem de fato tem razão nesta história? A psicologia nos diz que a verdade é um espelho quebrado em milhões de pedaços; desta forma espero juntar partes desse espelho, ou seja, as verdades das famílias a fim de entender qual é atualmente a visão da família sobre a escola e se a mudança desta visão poderia, de fato, auxiliar a criança na busca pelo saber.

  12. Claudia R. C. Gonzales Says:

    Ainda não peguei bem os conceitos de objetivo, hipótese e justificativa, mas vou colocar o que entendi como sendo cada coisa.

    Objetivo: “O objectivo deste estudo consiste em mostrar a inevitabilidade das explicações racionalistas para a explicação do nosso conhecimento da lógica”.

    Hipótese: “… parece que o pensamento é tudo o que basta para nos justificar a acreditar na validade de tal inferência”, “como sabemos que é correcto usar as regras válidas de inferência da lógica sem apelar a quaisquer indícios empíricos” e “iremos elaborar uma defesa de uma posição racionalista a que chamaremos de «racionalismo naturalizado»”.

    Justificativa: “A dificuldade peculiar a essa questão consiste no facto de que tendo em conta que essas regras são primitivas, então qualquer tentativa de justificar como as conhecemos irá usar essas mesmas regras ou regras que destas dependem, acabando assim por usar a lógica para justificar a lógica.” Então a justificativa dela é a própria dificuldade em explicar.

    Senti muita dificuldade para encontrar justificativa e hipótese nesse texto, em vista que não consegui entendê-lo muito bem.

  13. Claudia R. C. Gonzales Says:

    Duas perguntas principais movem o meu projeto, que são:
    1- Por que o Supremo Tribunal Federal decidirá se é constitucional, ou não, o profissional de jornalismo atuar sem diploma?
    2- Por que acreditar que o jornalismo é uma profissão que qualquer um pode exercer, sem ser necessário nenhum diploma?

    Como estudante de jornalismo está duas perguntas me preocupam muito, pois afetam o futuro da profissão. E é sobre isso o meu projeto. =)

  14. José Roberto Fávaro Filho Says:

    2- Exposição das questões tratadas na pesquisa de Célia Teixeira:
    Objetivo:
    “…Mostrar a inevitabilidade das explicações racionalistas para a explicação do nosso conhecimento da lógica”.

    Justificativa:

    A pesquisa se justifica para desvendar as camadas do pensamento (razão) e contrapor as teorias consagradas com uma nova corrente teórica.

    Problema:

    “…Consiste em saber como conhecemos as regras de inferência da lógica”.

    Hipóteses:

    1- provar que “…única forma de justificar o conhecimento da lógica é apelando a uma capacidade por este responsável.”

    2- É possível que seja “… mau qualquer argumento que pressuponha como premissa a favor do carácter a priori da lógica as conexões entre a priori e irrevisibilidade ou entre a priori e necessidade”.

    3- Por à prova e atestar se “… as duas teorias empiristas não são boas teorias acerca do conhecimento da lógica”.

  15. José Roberto Fávaro Filho Says:

    1- Descrição do problema de pesquisa:
    O problema a ser tratado em minha pesquisa é a diferença das correntes editoriais de jornais distintos, porém produzidos por uma mesma empresa de comunicação. É parte do estudo analisar se a linha mais sensacionalista do jornal Agora São Paulo influe a ponto de deturpar a apuração jornalística em relação a notícia de um mesmo fato publicado também pelo jornal Folha de SP. Entretanto, para analisar esta questão, foi escolhida a editoria e assuntos relacionados à Economia e Política, parte do jornal que possui uma redação mais formal e muitos dados quantitativos.

  16. Fátima Carvalho Says:

    Oi Elisa,
    Todos os pesquisadores foram avisados pelo telefone, O Samuel Pereira da Silva avisou que hoje está preparando um seminário para a graduação.
    Os pesquisadores José Roberto Favaro Filho e Rodrigo de Souza Fagundes, foram avisados via recado na cx postal , o restante pessoalmente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: