Dinéia Hypolitto fala sobre a formação continuada e HQs na educação

Leia na íntegra a reportagem publicada pela  Revista Mundo Escola, com a Mestre em Educação   Dinéia Hypolitto, docente da Universidade São Judas Tadeu nos cursos de Formação de Professores e Pedagogia.

Imagem da própria revistaImagem Mundo Escola, Número 1 , Editora Positivo, Abril/2009. Página 34.

Professor que estuda motiva seus alunos. É capaz de implementar mudanças no seu meio, autoavaliar de forma crítica e reflexiva o seu trabalho e acompanhar o ritmo acelerado dos estudantes.

Fonte: Revista Mundo Escola, Número 1, Editora Positivo, Abril/2009

POR FLORA QUEDES

A formação continuada dos professores ao lado de um projeto político-pedagógico sólido e de uma direção forte são os caminhos para melhorar a educação brasileira. Para Dinéia Hypolitto, mestre em educação pelo programa de pós-graduação em educação e currículo da PUC-SP, o profissional consciente sabe que sua formação não termina na universidade. “Esta lhe aponta caminhos, fornece conceitos e idéias, a matéria-prima de sua especialidade. O resto é por sua conta. Muitos professores, mesmo tendo sido assíduos, estudiosos e brilhantes, tiveram de aprender na prática, estudando, pesquisando, observando, errando muitas vezes, até chegarem ao profissional competente que são hoje”, afirma. Afinal, um professor que estuda motiva seus alunos. É capaz de implementar mudanças no seu meio, autoavaliar de forma crítica e reflexiva o seu trabalho e acompanhar o ritmo acelerado dos estudantes. “A formação continuada deveria ser um processo que não poderia ter um fim, pois ser professor é assumir um compromisso com o conhecimento e a cultura elaborada, e isso implica renová-la e renovar-se por meio dos diálogos com os textos, as pesquisas e com as novas gerações”, defende. Idéia reforçada por Paulo Freire, que afirmava que: “ninguém nasce educador ou marcado para ser educador. A gente se faz educador, a gente se forma, como educador, permanentemente, na prática e na reflexão da prática”.

TEMPO E RECURSOS

De fato, o professor precisa ter muita força de vontade para não desistir da formação continuada. A falta de tempo para participar dos programas de formação continuada, dupla jornada de trabalho, ofertas de cursos que não partem da realidade de necessidade do professor, a falta de recursos financeiros para o investimento em cursos ou na compra de livros são algumas das dificuldades elencadas por Dinéia Hypolitto, também especialista em avaliação pela Universidade de Brasília (UnB) e em didática do ensino superior pela Universidade São Judas Tadeu, onde atua na formação de professores e como coordenadora pedagógica. Segundo ela, ainda há o problema das políticas públicas serem descontínuas em relação à formação continuada, principalmente, na mudança de governos, o que contribui para o fracasso desses programas. “Os professores devem administrar a sua própria formação contínua, estudando, participando das manifestações e reflexões pedagógicas, trabalhar em equipe e trocar experiências para diferenciar o seu ensino, usar o trabalho coletivo dentro da escola e em serviço ao lado de seus pares, para melhorar a sua formação e o desempenho de seus alunos”, orienta.

AUTOAVALIAÇÃO

A especialista pontua que o professor só se torna capaz de implementar mudanças no cotidiano escolar, a partir de uma reflexão sobre si mesmo e suas ações. “A avaliação da prática leva-o a descobrir falhas e possibilidades de melhoria, pois quem não reflete sobre o que faz acomoda-se, repete erros e não se mostra profissional. O professor em formação permanente está sempre a repensar o currículo, a metodologia e os objetivos. Autoavalia-se de forma crítica e reflexiva. Ouve os seus alunos, deixa que eles expressem o que sentem, pensam, querem, e isso auxilia o professor a reorientar a sua ação pedagógica”, orienta Hypolitto.

Imagem retirada da própria revista
Imagem Mundo Escola, Número 1 , Editora Positivo, Abril/2009. Página 35.

“Quando a reflexão permear a prática docente e de vida, a formação continuada será exigência “sine qua non” para que o home se mantenha vivo, energizado, atuante no seu espaço histórico, crescendo no saber e na responsabilidade. A formação continuada não se apresenta por si só como a solução para os problemas de qualidade no ensino, mas abre perspectivas de construir ações coletivas, na busca da qualificação do trabalho docente”, acrescenta ela, dizendo que a escola que possui professores em constante formação continuada tem resultados satisfatórios.

COMO FAZER

Primeiramente, a professora Dinéia Hypolitto orienta que os professores se informem sobre o que fazem os colegas e iniciem a formação contínua no espaço escolar. O trabalho no horário coletivo desenvolvido pelo coordenador pedagógico, toda semana, apresenta resultados mais efetivos, porque promove intercâmbio de experiências e a possibilidade de tematizar a prática. “É o momento para refletir o dia a dia dentro da sala de aula. Esse horário de trabalho pedagógico coletivo (HTPC) é para melhorar a formação continuada, fazer as leituras indicadas pela coordenadora pedagógica e estudar os conteúdos específicos para o ano que leciona”, detalha.

Segundo a especialista, o HTPC é o espaço mais rico para o aprimoramento do professor, e dentro do seu próprio ambiente de trabalho. Existem outros caminhos para o aperfeiçoamento: a educação a distância, participação em seminários presenciais e/ou virtuais, intercâmbio nacional e internacional, reflexões pedagógicas, grupos de estudo e pesquisa, cursos de curta e longa duração, programas governamentais em parceria com universidades e as escolas, e a administração de sua própria formação contínua – lendo, participando de congressos, palestras e simpósios. Outras duas alternativas para o professor são a Universidade Aberta do Brasil (UAB), que une o Ensino Presencial e o Ensino a Distância para a democratização do conhecimento, e a Rede Nacional de Formação Continuada de Professores de Educação Básica.

Leia também a outra entrevista concedida pela professora Dinéia Hypolitto, juntamente com outros profissionais,  a  Revista Língua Portuguesa, número 43, Maio/2009, com o título: HQ´s conquistam respeitabilidade,  viram política de governo e mostram vigor como arte narrativa serial.

Tags: , , ,

156 Respostas to “Dinéia Hypolitto fala sobre a formação continuada e HQs na educação”

  1. Evilyn Rocha licenciatura sab Says:

    Sabemos que para ser professor trilhamos um grande percurso, mas que nunca acaba devemos sempre estar em constante formação, para ter competência de avaliar, refletir e mudar. E assim poder dar uma aula de qualidade com motivação e resultados satisfatórios. Existem dificuldades na formação continuada por falta de tempo e preços fora da realidade para um professor, mas assim como os HTPC para trocar informações e experiências. Por que não pegar livros emprestados e buscar cursos grátis ou descontos, já é uma possibilidade de esta em formação.

  2. Priscila Palazzo França Licenciatura - sábado Says:

    A formação continuada é imprescindível para o desenvolvimento do professor, pois é através dela que o docente poderá refletir sobre diversos aspectos que permeiam o ambiente escolar, sempre em busca de novas metodologias e outras abordagens sobre o mesmo assunto.
    Além de haver a preocupação com o estudo formal, o professor deve se preocupar em observar os fatos de maneira critica e sem deixar que os conceitos pessoais infrinjam na análise da situação. A partir daí, o profissional deve encarar com força de vontade os empecilhos que surgirão no cotidiano, fazendo com que os mesmos não ajam como reforço negativo, e sim, que estes sirvam de estímulo para melhoria da educação em nossa sociedade.

    [Priscila Palazzo | USJT – Licenciatura /sábado]

  3. Ricardo Ariel Dias Says:

    Bela entrevista profa!
    A formaçao continuada é sem dúvida instrumento vital para qualquer profissional de qualquer área, aifnal, vivemos num mundo dniâmico, em constantes mudanças. Todos nós devemos sempre buscar acompanhar essas transformações. Precisamor ainda buscar a consciencia de que o estudo nao deve parar, devemos sempre nos “re-educar”, para crescermos quanto pessoas. Pensando no papel do educador, torna-se um paradoxo existir um educador que nao se eduque, alguem que ajuda na construçao de opinioes e que nao esteja “antenado” em seu Mundo.

  4. Geane Aline da Silva Souza_PPEDU-Sábado Says:

    O professor deve estar consciente de que a formação continuada é algo muito importante em sua vida profissional. O professor que continua seus estudos se atualiza e é visivelmente melhor profissional que os outros, tem melhor bagagem cultural e está mais aberto à novas oportunidades. Outra coisa muito importante para o educador é saber se auto-avaliar, saber reconhecer seus erros, pois só assim ele tem a capacidade de conseguir ser um bom profissional, e um ser humano melhor, pois é outra coisa importantíssima para educação, precisamos de mais HUMANOS. Mas, infelizmente, nem sempre isso é visto em nosso meio profissional, boa parte dos docentes, principalmente os mais antigos na profissão, acomodam-se, estaguinam-se, acham que porque já estão atuando em suas áreas não precisam mais atualizarem-se, isso é um grande engano.
    Por outro lado hoje em dia as coisas estão mais fáceis e as pessoas com a mente mais aberta, por isso, eperamos que a educação contínua seja almejada por muitos profissionais, pois o aperfeiçoamento não é importante apenas para professores, mas sim para o profissonal de qualquer área.

  5. Geane Aline da Silva Souza Says:

    O professor deve estar consciente de que a formação continuada é algo muito importante em sua vida profissional. O professor que continua seus estudos se atualiza e é visivelmente melhor profissional que os outros, tem melhor bagagem cultural e está mais aberto à novas oportunidades. Outra coisa muito importante para o educador é saber se auto-avaliar, saber reconhecer seus erros, pois só assim ele tem a capacidade de conseguir ser um bom profissional, e um ser humano melhor, pois é outra coisa importantíssima para educação, precisamos de mais HUMANOS. Mas, infelizmente, nem sempre isso é visto em nosso meio profissional, boa parte dos docentes, principalmente os mais antigos na profissão, acomodam-se, estaguinam-se, acham que porque já estão atuando em suas áreas não precisam mais atualizarem-se, isso é um grande engano.
    Por outro lado hoje em dia as coisas estão mais fáceis e as pessoas com a mente mais aberta, por isso, eperamos que a educação contínua seja almejada por muitos profissionais, pois o aperfeiçoamento não é importante apenas para professores, mas sim para o profissonal de qualquer área.

  6. Natalia Sanches Says:

    Natalia Sanches – Licenciatura Turma de sábado.

    É aprendendo que se ensina parece redundante, porém, é assim mesmo que acontece afinal todos os professores para se tornarem de fato professores, educadores tiveram que estudar, tiveram que aprender, e é através desse aprendizado que o professor adquire o hábito da continuidade dos estudos, sendo cada vez mais reflexivo, a um ponto de instigar a reflexão dos seus alunos. Bom seria se todos educadores compreendessem o quanto é importante a formação continuada, pois, a todo o momento novas idéias são expostas, novas teorias são explanadas e professor que para no “tempo”, perde seu tempo… Perde seu tempo com informações errôneas, perde o prazer da descoberta em cada reflexão de alunos que querem aprender e estão ali para isso, enfim um caos. Quando a professora comenta em seu artigo em como fazer, concordo que o HTPC, seria e é um momento no dia do professor ideal para dar continuidade com essa formação, mas infelizmente aonde pude presenciar tais reuniões, percebo que só se é discutido, se o pai da professora está bem, se fulano tem conta pra pagar, que tal aluno é problemático, enfim comenta-se sobre tudo, principalmente dos alunos problemas mas não acontece um momento em qual se abra uma discussão para poder solucionar o problema desses alunos, de quem é a culpa não sei talvez da direção, coordenação da escola, mas parte do professor querer, e utilizar esse tempo para o fim que ele foi feito.

  7. Fabio Oliveira Says:

    É fato que falta um pouco mais de esforço e organização por aqueles que trabalham com a educação, principalmente os professores. Há algum tempo grande parte dos professores deixaram para traz a vontade de dar aula, pois a mesmice seguida à risca com os manuais, livros, lousa, etc. faz com que a motivação de ambas as partes literalmente vá por água a baixo, mas a partir do momento que o professor mudar seus hábitos, primeiro deixar de ficar fofocando, fazendo tricô, falando mal de aluno nos HTPC, podemos dizer que 50% disso podem mudar. A busca continua de estudos, aprendizagem e absorvendo novos conteúdos facilitaria a vida dos professores, isso é quase fato, um curso, uma pós-graduação, a busca de conhecimentos tanto práticos como didáticos trazidos pelos professores motivaria quem sabe os novos professores, aquele que está vendo a sua aula. Hoje podemos dizer que o acesso a novos conteúdos é muito mais fácil do que a 15 anos atrás, ha mídias especificas para cada área de atuação e também um geral para todos nos professores será que a busca dessas ajudas não seria gratificante?. Parabéns a Prof. Dinéia sua entrevista está fantástica, espero que outros professores possam usar esse texto como inspiração.

  8. Paulo Alves de Almeida Junior (PPEDU -Sábado) Says:

    A formação continuada realmente é um fator muito importante para a melhoria na qualidade de ensino de qualquer pais, o professor só tem a base na faculdade, como foi citado pela professora Dinéia, concordo que a formação continuada não deve parar, pois o mundo está em constante evolução e ainda mais com a globalização, um profissional que não atualiza seus estudos está em risco em sua profissão. Continuar estudando gera uma beleza aos olhos, o profissional passa a enxergar as coisas sobre diversos pontos de vista, além de passar para o aluno a confiança, afinal “Se meu professor continua estudando é porque é se importa conosco e através desses anos de estudos que ele chegou até aqui”, isso é muito importante, pois os alunos respeitam e ficam mais á vontade com professores realmente “antenados”, assim como estudar sempre faz bem para a alma.
    Os professores e diversos outros profissionais sempre dão a desculpa de que não tem mais tempo para estudar, que a vida está “corrida”, esse é um problema gerado muitas vezes pela tão famosa “acomodação”, é claro que há suas exceções. Sempre há uma forma de se estudar, como disse a professora Dinéia, temos que participar de manisfetações, abrir discussões nas escolas em que trabalhamos, nos unir ao coordenador(a) pedagógico e/ou diretor(a) e nos preparar para participar de projetos, congressos, simpósios, cursos e até mesmo debater com nossos colegas professores o que se passou no dia, quais são os problemas atuais, como poderiamos resolve-los, o que não se pode é ficar parado! Estudando se descobre o que se pode fazer para melhorar seu espaço, corrigir seus erros e colaborar com a melhoria da qualidade de ensino dos educandos.
    Somente refletindo sobre nosso trabalho é que podemos repensar, gerar ações construtivistas, melhorar nossos objetivos/planos de aula e abrir um vasto caminho para as mudanças na educação. As coisas só funcionam com força de vontade e combatendo a resistência em tudo, temos que ser “ousados” e fazer a diferença da nossa forma: Estudando!

    Parabéns pela entrevista professora Dinéia!

    Excelente texto.

    E agradeço também a Elisa por disponibilizar o texto em seu blog, parabéns pelo blog!

    Abraços á ambas!

  9. Marcella de Arruda Silva Says:

    Sem dúvida, qualquer profissional precisa estar em dia com as novidades de seu campo de trabalho. Isso não é diferente com o professor. Precisamos ter a consciência de que a graduação não acaba no dia da colação de grau, mas temos que estar em constante aprendizado para que possamos fazer um trabalho cada vez melhor para o aluno. Além disso, é importante um trabalho de autoavaliação, por parte do professor, de seu trabalho diariamente e a longo prazo. Para isso, o HTPC existe nas escolas estaduais. É um bom momento para o professor avaliar seu trabalho em sala de aula e prepare atividades. Isso, muitas vezes, não acontece. Alguns professores fazem mal uso do HTPC. Excelente artigo da professora Dinéia que nos faz refletir a respeito de questões comuns, porém, que não podem acontecer, mas infelizmente acontecem.

    Marcella – turma de 2011 de Licenciatura da USJT
    Graduada em Letras

  10. Marianne Moraes Says:

    Boa noite, professora!
    Muito bom o texto, e também tenho a mesma opinião quanto a continuidade, o professor deve sempre estar por dentro do que acontece, procurar novas opiniões, estar em contato com outras pessoas, para trocar experiências, informações e conhecimento. É sempre bom ouvir opiniões diferentes e ter a mente aberta para ouvir a todos. Seja num curso de especialização, palestra, mestrado, etc. O professor DEVE se atualizar para estar sempre no mesmo ritmo que os alunos e ter consciência de seu trabalho. Um professor que apenas faz a graduação, hoje em dia, já não é bem visto, pois já traz a aparência de que não estuda, não atualiza, e hoje as escolas já estão começando a procurar profissionais que estão empenhados em sempre aprender, para sempre poder ensinar seus alunos da melhor maneira. (Marianne Elizabeth de Moraes, LI Sábado, USJT)

  11. PAULO SERGIO RIBEIRO Says:

    BOM DIA PROFESSORA, TODAS AS VEZES QUE ME DEPARO COM ALUNOS DOS ENSINO MÉDIO, FUNDAMENTAL E INFANTIL, VEJO COMO É BOM NÓS FUTUROS EDUCADORES TRAZERMOS O QUE CADA CRIANÇA VIVE OU VIVEU, PARA NOSSA SALA DE AULA. NESTE COMENTÁRIO VEJO QUE A SUA PREOCUPAÇÃO EM DESENVOLVER O CONSTRUTIVISMO E A FORMAÇÃO CONTINUADA É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA, MAS SABEMOS QUE A REALIDADE É TODA DIFERENTE. ALGUNS COLEGAS DENTRO DE SALA SE ACOMODÃO E NÃO TEM O MINIMO DE INTERRESSE EM TRAZER O QUE APRENDERAM COM A INFÂNCIA E RESGATAR O PODE SER EMPREGADO EM SALA DE AULA. A VIVÊNCIA É MELHOR QUE QUALQUER CONTEÚDO DE TEMAS QUE NUNCA OUVIRAM FALAR. NUNCA DESISTE DE TRABALHAR O QUE APRENDEMOS COM AS OUTRAS PESSOAS.

  12. Jacqueline Martins Says:

    Olá!
    De acordo com o artigo é necessária uma visão critica quando tratamos de educação nos dias atuais. O profissional que se dedica a esta área não deve, de forma alguma deixar de aprimorar cada vez mais sua matéria-prima: o conhecimento. É por meio dele que o educador enxerga seus pontos positivos e negativos, melhorando seus métodos de ensino e dando o suporte necessário a seus alunos. Com a formação continuada o docente tem acesso a novas informações e a novos aspectos relacionados à sua área o que promove a ele vantagens no âmbito escolar. Tanto professor quanto aluno usufruem desses dados. Professores capacitados que incentivem nossas crianças a estudar é tudo o que precisamos hoje. O docente deve ter ciência de que sua formação não se encerra na graduação. Ele deve buscar cada vez mais conhecimento, pois dessa forma ele interage com seus alunos e lhes mostra o quão gratificante é estudar. Cabe à escola promover também HTPCs concretos, com conteúdos que, realmente, serão uteis, visando sempre o envolvimento entre professor e aluno. O corpo docente da escola deve estar bem envolvido. Sabemos que a formação continuada é um desafio, principalmente pela falta de tempo e recursos. Mas, todo esforço deve ser feito. Nós futuros educadores, devemos ter ciência de que cuidaremos dos futuros cidadãos deste país e, precisamos incentivá-los a gostar de estudar. Se a formação continuada é um dos métodos mais eficazes, todo sacrifício valerá a pena.

  13. Karen Neves - PPEDU Says:

    A formação continuada é um processo em construção na vida de cada professor. A Universidade é vista por alguns autores como “formação inicial” é ela que aponta caminhos e fornece conceitos para a sua especialidade, não se deve achar que saindo da universidade os estudos devem cessar, porque o processo educativo é continuo. Ser educador é educar-se para toda a vida, e o mais importante parar para refletir sobre seu trabalho constantemente. É através da autoavaliação que descobrimos nossos erros, nossas falhas e fazemos algo para modificar. Alem da autoavalização critica e reflexiva o professor também deve criar o habito de escutar os seus alunos, isso auxilia na suas ação e planejamentos pedagógicos.
    A formação continuada não é a solução para todos os problemas na educação, mas é algo diante das mãos dos docentes que pode ser praticado, basta estes quererem e se esforçarem. Estes docentes encontrarão no caminho muitas barreiras como a falta de tempo, o alto custo dos livros, a falta de recursos financeiros alem da ausência do apoio do governo. É por isso que os professor devem trabalhar em conjunto, cada um administrando a sua formação continuada, mas com a realização de reuniões, ações coletivas para a troca de experiências e informações. Cabe então ao professor procurar a melhor maneira para sua formação continuada, seja em cursos a distancia, congressos, palestrar simpósios, ou até mesmo nas leituras.

  14. Maria Isabel Camargo (PPEDU - sábado) Says:

    Olá Dinéia.

    A educação continuada realmente é muito importante para o professor. Se atualizar hoje em dia é a chave para continuar aprendendo e ensinando cada vez melhor. Acredito que um bom profissional tem sempre que procurar atualização por mais dificuldade que o mesmo tenha devido aos encargos, e burocracia das atividades desenvolvidas em sala de aula como correção de provas, preenchimento do diário e planejamento de aulas. Estou realizando estágio em uma instituição pública e muito me entristece de ver grande parte dos professores durante a HTPC realizando outras atividades e ao mesmo tempo me da força para que essa nova geração de professores venha para mudar esta realidade.
    Parabéns Dinéia pelo seu esforço na formação de professores, e pelo artigo aqui publicado.

  15. Aline Oliveira Brasil - PPEDU - Sábado Says:

    Olá professora Dinéia, olá Elisa!

    Acredito que a educação continuada seja importante em todos os setores profissionais. Mas especificamente na área de educação, ela se torna essencial porque o professor é trabalhador do conhecimento, da formação de homens. Mesmo tendo uma boa formação, o professor precisa se manter atualizado, de maneira a conseguir acompanhar o desenvolvimento tecnológico e avanços científicos, justamente porque a formação continuada adapta o professor para essas novas necessidades.

    Existem muitos caminhos para o aperfeiçoamento, basta que o professor queira buscar este conhecimento, e que de fato, trará mudanças significativas para o professor (quando este adquire novos saberes) e para os alunos (quando estes tem uma nova proposta pedagógica) e o resultado é motivação em ambos os lados!

    Aline Oliveira Brasil – Ciências Biológicas
    PPEDU – Sábado

  16. Raul Ferreira (Licenciatura - Turma Sábado USJT) Says:

    Percebo em minha formação algumas lacunas depois de inserido na vida profissional, mesmo em pouco tempo de atuação, assim ingressando no curso de pós-graduação em Educação Física Escolar, percebo também que apenas isso não é necessário, vejo na Cultura Corporal de Movimento de meus alunos o quanto preciso estudar e ir além, contando que em conversa com os demais educadores que trabalham comigo quais necessidade meus alunos possuem…
    O que mais nos incomoda na Educação Física é a comodidade de alguns professores, pois em dados da Pesquisa do Observatório da Educação na qual participo como pesquisador, verificamos que alguns profissionais não participam de eventos na área a pelo menos 5 anos ou mais, não fazem leituras de temas específicos a área de atuação, além de achar que apenas rolar a bola é algo que irá acrescentar a seus alunos.
    Percebemos ainda nesta pesquisa o baixo índice de participação desses profissionais no desenvolvimento do PPE, assim como a participação de outros profissionais em seu planejamento…
    Acredito que isso aconteça em todas as áreas, se não há diálogo entre profissionais e entre professor e aluno, esse torna o início da formação continuada longe da realidade por não identificar lacunas a serem preenchidas.
    Muito interessante tal texto da Professora Dinéia, evidencia tais inadequações com tais propostas.

  17. Elizabete Ferreira - LIC USJT Says:

    Eu tenho pesquisado a formação de professores nos últimos anos e os resultados das pesquisas sugerem que a formação continuada se faz presente na vida dos professores, através de cursos, leituras, debates etc. Entretanto, esses estudos nem sempre levam a mudança de atitude com relação a sua prática, bem como a mudança da própria prática, posto que isso depende muito da forma como o professor avalia a sua ação pedagógica, ou seja, se os estudos forem obrigatórios (como ocorre em algumas redes de ensino), mas não provocarem reflexões no professor sobre sua prática, de modo a mobilizá-lo, de nada adianta o envolvimento em qualquer processo de formação.

  18. Karoline Simões Camoella Says:

    Para todos os professores ou no nosso caso futuros professores que estão finalizando a licenciatura, como explicita o texto: não deveriam ser conformados e acreditar que sua formação está concluída com o término da universidade, quando na realidade essa finalização desse nível só nos aponta caminhos e só a partir do fim desse ciclo que todo o trabalho árduo (para quem estiver disposto a ser um bom profissional) será iniciado.
    No momento, como ainda somos universitários ainda contamos com auxílios em decisões e momentos importantes de tutores que por ter uma maior vivência prática conseguem nos apontar caminhos, mas em alguns meses esses vínculos frequentes serão cortados e passaremos a ser criadores de conceitos e ideias e espera-se que não apenas meros reprodutores de conhecimento, pois temos ciência que cometeremos erros e acertos, mas essa oportunidade de vivenciar esses momentos é que nos tornará com o tempo grandes profissionais.
    Porém para formarmos e apontarmos caminhos para as futuras gerações nunca devemos esquecer que a educação está pautada em dois pilares importantes: um projeto político pedagógico sólido que irá nortear as nossas futuras diretrizes de trabalho no interior da escola e, além disso, devemos sempre estar reciclando os conhecimentos para que nossas ideias não se tornem obsoletas, para isso é necessário uma formação continuada.
    Apesar de acreditar que a motivação é intrínseca, creio que um professor que apresenta um nível elevado de conhecimentos e está sempre se atualizando, é capaz de despertar a vontade do conhecer e aprender nos seus alunos.
    Nunca podemos nos permitir cair nos problemas atuais da Educação Continuada, ou seja, perder o ânimo em fazê-la ou deixar que a falta de tempo e de apoio financeiro nos impeça de realizá-la, pois além de ocorrer no âmbito escolar maneiras de propiciar essa formação continuada (trocas de experiências entre professores, HTPC), cada professor, ou seja, cada um de nós futuros professores somos senhores da nossa própria formação contínua e cabe a nós decidir qual profissional queremos ser no futuro.

  19. Bruna Gabriela Marques Says:

    Aos educadores!
    È sabido que a formação continuada é um dos pilares para o verdadeiro ato de educar, alguns fatores elencados pela Profa Dinéia Hypólito traduzem perfeitamente este contexto. Estas discussões se evidenciam na tentativa de promover um olhar critico para a formação dos docentes, parece haver consenso entre os autores que discutem esta problemática de que a iniciativa publica e privada deveriam intervir com ênfase na idéia de que nenhuma formação inicial, mesmo a oferecida em nível superior, é suficiente para o desenvolvimento profissional. Esta perspectiva pontua que é necessária uma articulação dos saberes acadêmicos com os vivenciados em loco pelos docentes, visto que, a formação continuada é tida como necessária não somente para minimizar as lacunas entre a formação inicial, mas também pelo ambiente rico em diversidade cultural e social que a escola disponibiliza aos Docentes. Para freire (1999) todo ato de educar, e um ato de reeducar-se em prol da constante retroalimentação dos conhecimentos vivenciados que se evidenciam no processo de educar. Cabe a nós futuros educadores primar por estes ideais e objetivos, para de fato podemos acreditar no processo de educar como um ato de amor.

  20. Aline Vilasboas Luchini ( PPEDU- Sábado) Says:

    Olá Professora Dinéia!

    Diante do artigo podemos fazer uma análise crítica de que nos dias de hoje se faz necessária a formação continuada do professor, sobre a capacitação profissional dos docentes. Essa capacitação tem sido apontada como um dos pré requisitos fundamentais para a melhora da qualidade do ensino no Brasil. O conhecimento docente é subjetivo, cada docente possui um saber-fazer. Buscar conhecimento para o aprimoramento de sua prática é fundamental para o seu cotidiano. Ao colocar o conhecimento como subjetivo, percebe-se que o mesmo engloba vários fatores, como, por exemplo, sua história de vida, suas experiências familiares, suas afetividades e até mesmo suas crenças. O professor precisa sempre refletir sobre sua prática, sobre o seu conhecimento científico e técnico tendo ciência de que não é mago do saber, na verdade ele é apenas o mediador de um processo de construção do saber. Para isso, se faz necessário a sua formação continuada. De certo o professor encontra várias barreiras para continuar a sua formação, mas cabe a ele, professor procurar caminhos que possam facilitar a sua eterna formação,talvez se faça necessário que os professores percebam que é de fundamental importância dar ênfase ao papel dos professores como agentes de mudança, mediadores entre a informação e o conhecimento. O educador precisa estar atento, aberto e participando de todas e a quaisquer oportunidades que o levem a ascender tanto no plano pessoal, profissional, cognitivo e quanto humano de sua atuação. E em especial tratamento a docência, compreender a representatividade social que a formação continuada apresenta quanto ao bom desempenho do professor diante de seu complexo cenário de atuação profissional.

    • Bianca Arantes - PPEDU Sábado Says:

      Penso que a formação continuada é uma necessidade de todo professor, pois são pessoas que escolheram como pofissão ensinar, transmitir conhecimento à sociedade, mas não podemos esquecer que o conhecimento humano é uma área que está em constante evolução, portanto como em qualquer profissão a atualização é importantíssima!
      Quanto às dificuldades que alguns profissionais encontram no processo de formação continuada, muitas são devido à falta de investimentos por parte do governo na formação dos professores, é necessário que os profissionais se organizem para reivindicar essas mudanças, e usufruam dos meios possíveis como o HTPC que foi citado no texto.

  21. Camila Mendes PPEDU SABADO Says:

    Olá!

    Tendo em vista que os professores são espelhos para os alunos, acredito que a progressão continuada é um grande auxilio para os profº, pois atraves do conhecimento do professor o aluno muitas vezes acaba se interessando por estudar mais. Por sua vez os professores devem colocar na cabeça que eles ainda tem muito a aprender, que o conhecimento que já possui ainda não é suficiente, tem que olhar para si e adimitir que precisam sempre estar se atualizando, com isso eles conseguem ate modificar o cotidiano da escola atingindo de uma certa forma a sociedade.
    Claro que os problemas relacionados com as atualizações dos professores não estão somente relacionados a eles, mais um dos maiores responsaveis por isso acontecer ate hoje é a parte governamental do nosso pais, que não liga muito para como e o que esta sendo levando para os alunos. Por isso nos professores ou futuros, precisamos acordar para a vida e ver o quanto somos necessitados de conhecimento, que ainda sabemos muito pouco ou quase nada.

  22. Camila Mendes PPEDU SABADO Says:

    Olá!

    Tendo em vista que os professores são espelhos para os alunos, acredito que a progressão continuado é um grande auxilio para os profº, pois atraves do conhecimento do professor a aluno certa vezes acaba se interessante por estudar mais. Por sua vez os professores devem colocar na cabeça que eles ainda tem muito a aprender, que o conhecimento que já possui ainda não é suficiente, tem que olhar para si e adimitir que precisam sempre estar se atualizando, com isso eles conseguem ate modificar o cotidiano da escola atingindo de uma certa forma a sociedade.
    Claro que os problemas relacionados com as atualizações dos professores não estam somente relacionadas a eles, mais um dos maiores responsaveis por isso acontecer ate hoje é a parte governamental do nosso pais, que não liga muito para como e o que esta sendo levando para os alunos. Por isso nos professores ou futuros, precisamos acordar para a vida e ver o quanto somos necessitados de conhecimento, que ainda sabemos muito pouco ou quase nada.

  23. Cleber Bossa Cardoso(licenciatura-sábado) Says:

    olá professora Dinéia, essa reportagem nos passa uma mensagem para nos hoje alunos e futuros educadores, que para se tornar um bom professor é necessário sempre estar bem atualizado para poder acompanhar o ritmo de seus alunos, pois quando os alunos se expressão o que sente isso ajuda o professor na sua metodologia de ensino. A educação de nosso país depende desses educadores e sua forma de lecionar pois através de sua ação pedagógica de ensino que refletirá no comportamento e aprendizado do aluno. Hoje em dia alguns professores não se preocupam em se atualizar, pois existem vários meios para que o educador aperfeiçoar os seus conhecimentos, através de palestras, curso a longa distancia, reflexões pedagógicas entre outros, os professores tem que verificar a importância da progressão continuada e se conscientizar que é essencial para a evolução do conhecimento dele e do aluno.

  24. eliane Says:

    não vou deixar uma resposta
    mas vou lhe deixar uma pergunta
    porque é dificil para os professores aplicar as teorias construtivistas na sala de aula?

  25. Vanessa Carvalho Souza( PPEDU terça) Says:

    Esse tema formação continuada é muito importante para os professores atualmente principalmente aqueles que já estão formados a mais tempo, temos que ter em mente que é muito importante continuar se atualizando. O professor tem um papel muito importante na vida de seus alunos e ele deve estimular seus alunos no ambito da pesquisa, ele tem que ter em mente que essa area está em constante mudança e que pra acompanhar esses avanços é necessário continuar a sua formação e não só parar na graduação.

  26. Patricia Mendes da Silva Says:

    Levando em conta que o professor não exerce uma só a função de educador, mas acaba servindo como modelo para o aluno, sendo o professor um pesquisador ele poderá despertar o prazer pela pesquisa em seus alunos também.
    Sendo assim, a formação continuada é mais do que necessária para o professor, tendo em vista que na graduação,como foi citado no texto, dá-se apenas a “matéria-prima” do conhecimento, o que da subsidios para afirmar que o professor está em constante conhecimento, o que se faz necessário diante das mudanças, se adequar a realidade do aluno e da comunidade em que está enserida, podendo ser esse um diferencial.

  27. Gledison J. T. Rocha(Licenciatura) Says:

    Neste exato momento estou refletindo sobre o que li, buscando aprender com este conhecimento e assim renovar-me como educador na prática e posteriormente auto-avaliando-me na reflexão desta prática. Meu enfoque citado acima esta para a convergência dos três conselhos que a Professora Mestre em educação Dinéia Hypólitto apontou: tempos e recursos, auto-avaliação e como fazer; assim que você escolhe a profissão docente acaba de assumir responsabilidades com o conhecimento, pois “você não nasce educador, se forma e se faz permanentemente educador”(Paulo Freire)a falta de tempo e recursos são apenas ‘pedras rolantes’que retardam mas não anulam e não devemos deixar anular nosso desejo(mais do que só vontade) de manter-se em constante aprimoramento formativo, pude notar que a auto-avaliação explicada pela especialista em avaliação Professora Dinéia deixa claro que é preciso avaliar sua prática(auto-reflexão)para depois implementar mudanças satisfatórias na sua reorientação pedagógica, pois no meu parecer quem se acomoda em não se auto-avaliar está fadado a cometer repetidamente os mesmos erros didáticos e o pior coloca a ‘culpa’na falta de tempo e recursos; mas a entrevista concedida acima pela especialista em didática do ensino superior Professora Dinéia nos remete a uma expoente orientação nesse processo de ensino e aprendizagem ou seja de ‘como fazer’, no meu ponto de vista foi um ‘suave puxão de orelha’para quem ainda enrijece no fato de não querer ou não poder dedicar-se a formação continuada pois no seu próprio ambiente de trabalho é proporcionado o intercâmbio de conhecimento, a melhoria da formação continuada(HTPC), há ainda cursos e programas governamentais gratuitos e outras alternativas como a UAB ou cursos promovido pelo sindicato; em suma você pode escolher ser um mero transmissor de informações ou um produtor/re-inventor do conhecimento, claro que nesta última opção é o reflexo da formação continuada.

  28. Natália Alves- PPEDU 3° feira Says:

    O professor sem dúvida não exerce uma profissão meramente técnica, mas sim, repleta de uma reunião de sentimentos, valores e atitudes que devem ser constantemente repensadas para não perderem de vista o contexto de cada nova situação que o professor precisará enfrentar. Formar-se continuamente não só no campo científico é um dever do professor, pois cabe a ele continuamnte formar-se para as mudanças. Buscar seus próprios caminhos, reflexões sobre sua prática e não fórmulas que simplesmente estejam prontas. O professor reflexivo e aberto é um profissonal que sem dúvida busca dar o melhor de si para receber o melhor de seus alunos.
    Natália.

  29. Gustavo Fram - terça feira a noite - projetos e praticas Says:

    Bom do tema que eu mais gostei foi da auto-avaliação, porque falta muito disso nos docentes nas escolas, se auto-avaliar e verificar os acertos e erros que comentem dentro e fora da sala de aula. E muitos porfessores são contra a formação continuada mas não procuram procurar sua qualidade de aula, não buscam novos conhecimentos, compram livros no começo da carreira e depois desistem.
    O professor deve ser critico-construtivo, não deve ficar no senso comum e não ter preconceitos, devem procurar saber sobre a ECA, formação continuada, LDB etc. As informações mudam muito rápido, e não devemos ficar para trás, procurar ir em exposições, ver documentários, comprar livros, mostrar videos, sempre inovando suas aulas para não cair na rotina.
    E os alunos também devem fazer uma auto availiação, sobre as disciplinas que aprendem, seus comportamentos na sala de aula, com o professor, coms os amigos e os familiaraes, devem ser mais consientes o que fazem dentro e fora da escola.
    Gostei do texto é bem pertinente aos dias atuais, e devemos ser contrutivistas e criticos-construtivos, a cabeça foi feita para pensar, refletir e reproduzir, idéias, opiniões e atitudes.

  30. Neila Oliveira - Práticas 3ªfeira Says:

    A entrevista da Professora Dinéia Hypolitto veio para ressaltar a importância da formação continuada. A realidade do sistema educacional do país é lamentável. Poucos docentes, após ter concluído a graduação, se especializam e continuam se atualizando. E o que vemos são aulas ministradas com pouca criatividade e conteúdo. O século XXI exige velocidade e dinamismo, e enquanto houver profissionais que não se comprometam com a educação será difícl reverter os problemas do ensino público. Acho interessante as dicas que a professora Dinéia nos passa, pois segundo ela muitas vezes o professor não se atualiza por motivos financeiros, entre outros. Contudo, mesmo sem alguns recursos, os docentes podem aprimorar sua prática pedagógica por meio de cursos e palestras gratuitas, e, sobretudo pelo HTPC que por muitas vezes não é devidamente utilizado pelos professores e coordenadores. O professor que se mantém em constante aprendizagem consegue se tornar um profissional mais crítico e reflexivo. Ele transmite aos alunos conhecimentos consistentes e segurança em seu aprendizado.

  31. Miriam Bernardino Says:

    Sobre a Formação Continuada

    O novo cenário político-social exige de nós educadores mudanças de paradigmas e concepções já ultrapassadas, que parecem cristalizadas em nossas práticas no dia a dia. Para se pensar em educação ou de como educar, se faz necessário maior compreenção sobre o cenário social o qual estamos inseridos hoje, e que futuramente não o será mais o mesmo.

    O homem é um sujeito histórico, e a medida em que seu contexto social muda, ele consequentemente sofrerá mudanças.

    Nesse sentido, entendo que a formação continuada é uma maneira de se localizar e se visualizar dentro dessa novas estruturas. Podendo ser compreendida como um movimento pessoal do educador que vai ao encontro das novas possibilidades de educar.

    É de fundamental importância e sencibilidade entender que nós (educadores) somos mediadores no processo ensino-aprendizagem. Ou seja, a função do educar não limita na transmissão de um conhecimento cristalizado, mas sim na cosntrução de novas possibilidades que são pautatinamente constituídas, e que não possuí um fim. Assim a educação é um processo infinito, que ultrapassa manuias ecolares ou normas de ensino.

    Enfim, a formação continuada é muito importante para a educação, no sentido de atualizar o educador das mudanças, pois está entrelaçada a novas possibilidades para educar, e paralelamente de conhecer o aluno, um dos personagens centrais da educação. Nessa ótica, para se educar se faz necessário um olhar complexo sobre a realidade social atual, bem como das mudanças de paradigmas que a sociedade está vivenciando hoje.

    Miriam

  32. André Militão(Licenciatura-sábado) Says:

    Olá professora!!!
    Concerteza as questões colocadas são pertinentes, a importância do esducador em estar constantemente numa formação continuada, não só para o emprego, ma para a vida, uma maneira de estar sempre por dentro das mudanças que ocorre na sua área de atuação. A formação continuada como uma maneira de não se excluir de melhorar a qualidade de ensino.
    BJS

  33. MARCELO PIÑON PAIVA Says:

    A formação continuada é mais do que necessaria nos dias atuais, em que muitos professores se encontram em duvudas em como conduzir uma aula. É verdade que o tempo e recursos financeiros são “pedras” no caminho de qualquer educador, mas é uma reflexão necessaria e que tem que ser feita por todos os envolvidos na educação.

    A autoavaliação é a forma mais eficaz que o educador encontra para melhorar sua propria aula de modo que ele mesmo se sinta satisfeito com a aula aplicada por ele.

    Prof. Dineia obrigado por estar sempre nos mostrando este tipo de material, foi muito pertinente e satisfatorio, entao vamos começar uma reflexão de valores e mudanças em nossas aulas o mais rapido possivel! Obrigado!

    Marcelo Piñon Paiva – 200700483 – LICENCIATURA – Sabado.

  34. André Militão Says:

    Bom dia Professora!!!

    Todos os comentários estão de acordo com a necessidade atual de uma formação continuada. O professor deve sempre se atualizar e não apenas para o âmbito profissional, mas na vida.

    BJS

  35. Dirce Souza Says:

    Como fazer?
    Professora Dineia,
    todos os aspectos dessa reportagem são interessantes e pertinentes, mas o que mais me chamou a atenção foram as questões de COMO FAZER. Estou fazendo estágios com duas diferentes professoras (uma no ensino média e outra na graduação) e observo as diferentes formas que cada uma procura se auto-avaliar e os recursos que utilizam para se manterem atualizadas com os temas que lecionam. Percebo que falta ainda uma preocupação maior em relação às características COMPORTAMENTAIS de cada grupo de alunos. Mesmo parecendo uma tarefa difícil, pretendo cada vez mais conhecer e saber o que pensam e como agem os alunos para os quais eu lecionarei, considerando essas caraterísrticas também para montar minhas aulas.

  36. Edson Luiz Barbosa dos Santos Says:

    Professora Dineia, muito obrigado pelaluz que você nos tem dado,o tema educação continuada é extenso e os pontos levantados em seu texto são bastante pertinentes.
    De um lado nós temos, a idealização de um professor ter tempo hábil para sua formação constante; vital para sua verdadeira atuação como professor “não bancário”.
    Por outro lado, os impedimentos que nós professores temos, principalmente pela falta de tempo ou por má organização da instituição em que lecionamos.
    Concordo que o caminho para o bom ensino é a reflexão das nossas ações pedagógicas e isso deve ser feito por todos na instituição: Diretores reflexivos formam coordenadores reflexivos que compartilham momentos com professores reflexivos e todos contribuem para a verdadeira formação dos nossos alunos.
    Professor de Inglês dos Ensinos Fundamental I/II e Médio.

  37. Egilsa Francisca da Silva Says:

    Olá Dinéia, achei o tema de extrema importancia, pois passando por algumas escolas pude perceber o grande numero de professores que já graduados não se dedicam a nenhuma outra atividade que possa valorizar os conhecimentos que já possuem.
    Interessante o tópico que fala a respeito da falta de tempo e recursos. sabe-se que pouco se investe no professor para satisfazer algumas necessidades, mas, acredito que o educador não pode esperar para que essas ações aconteçam. O sistema não ajuda sabemos, porém, depende mais do professor do que de qualquer outro, para que se possa ter condições de se desempenhar um trabalho de forma honesta.
    Penso que as reuniões de HTPCs podem sim fortalecer o trabalho do grupo de professores desde que haja um compromisso e interesse de todos.

  38. Zaíra Elisabete dos Santos Says:

    Realmente, falta um pouco mais de esforço e organização por parte dos profissionais de educação, principalmente os professores. Isto pode e deve ser mudado com pequenas atitudes cotidianas. Os discursos são sempre muito bonitos, porém as atitudes contradizem as teorias.

  39. FABIANA BIAZOLLA TURCCI Says:

    olá pessoal, hoje em dia o professor não basta ter só a graduação, mas sim uma formação continuada, onde ele passa para seus alunos toda suas experiências e praticas, na graduação o professor aprende o básico e na vida ele aprende todo resto. e com isso passa a informação e aprende junto com seu aluno, para vc dar uma boa aula, onde todos todos possam interagir juntos, o professor deve conhecer bem seus alunos pois com isso o professor e o aluno aprendem juntos e tem uma relação de respeito um pelo outro, é aprendendo que se ensina.

  40. Alexandre Says:

    Boa tarde profa. Dinéia Hypolitto. Meu nome é Alexandre Vieira, sou prof. universitário em São Paulo e estou com um projeto relacionado ao tema Educação continuada. Vc pode por favor entrar em contato comigo.

    vieira76@ig.com.br

    Agradeço desde já a atenção.

    Att.

    Prof. Alexandre Vieira

  41. Carlo Says:

    Bom dia mia amiga Dineia, eu estou totalmente de acordo com voce, um abraço Carlo / Milano

  42. luiz Says:

    aluno da licenciatura na são judas

  43. polivalente Says:

    educação fgf

  44. jacqueline Silva dos Santos Says:

    Bom, achei muito interessante este assunto da revista mundo escola que foca a importancia do docente sempre estar em busca da atualização de seus conhecimentos aprimorando cada vez mais suas capacidades de interagir com o meio. A formação contínua do professor nunca se dar por encerrada, ultrapassa limites e barreiras, impondo para si próprio uma autoavaliação de seu trabalho para aperfeiçoamento.

  45. Marcelo A. Meratti de Oliveira Says:

    Boa noite,

    gostaria de parabenizar a iniciativa da revista que buscou uma opinião qualificada para tratar de um assunto tão exigido nos dias atuais; a publicação da mesma pela Elisa e aos sábios “conselhos” da professora Dinéia.

    Sou convicto que qualquer pessoa necessita da atualização constante para fazer-se parte do contexto social a que pertence e também que esta pessoa deve ser cética reconhecendo as informações que recebe como indispensáveis ou não para sua formação como parte da sociedade.

    Para tanto uma base ela necessita ter, seja do banco escolar ou em experiências vividas como a própria professora cita ao mencionar a importância do trabalho coletivo.

    Hoje não há mais desculpas para o professor admitir que não consegue se atualizar uma vez que o governo fornece cursos de atualização, milhares de livros estão a nossa disposição na internet e nas bibliotecas, cheganso em nossas casas em apenas alguns cliques. A intetnet fornece milhares de conteúdos de grande valia como este! Temos também a Educação a Distância que sendo bem administrada pode vencer o preconceito e se tornar melhor aceita por muitos.

    Cabe então um outro aspecto a ser estimado que consiste em verificar o quanto dispostos estão os professores a receber o novo!!!!

  46. Eduardo F. Gil Says:

    Sem dúvida a formação continuada é extremamente necessária para um bom professor, bem como para qualquer outro profissional atualmente. O maior mal que um professor pode cometer é acomodar-se e não levar em conta as necessidades de seus alunos, a partir deste momento o professor deixa de ensinar e os alunos deixam de aprender.

  47. Raquel Quirino da Silva(POSENS) Says:

    Boa noite!
    Eu li a entrevisata, e concordo com as observações feitas pela professora.
    Os comentários, nela apresentados ratificam a necessidade que temos em defender a causa de uma formação continuada.O próprio titulo nos fornece a principal ideia da matéria, e nos remete a reflexões importantes.
    O bom professor deve assumir um compromisso com o conhecimento, e a formação continuada é a unica vertente que solidifica esse comprometimento. Ao nos colocarmos, na posição de eternos aprendizes e “caçadores” do saber, firmamos um compromisso com a arte de ensinar.

  48. Filipe Fernandes Conti Says:

    Falar em educação é falar no futuro de um pais, estado ou municipio, e por isso devemos tratar este assunto com devido carinho e atenção, para que cada atitude seja tomada pensando no bem do todo. Sabemos que a peça central e mais importante no sistema de ensino é o aluno, pois sem aluno não há escola, porém, tão importante quanto é o professor, aquele que deverá abrir nossas mentes, nos mostrar caminhos, nos orientar, estar disposto a ensinar e a aprender. O professor deve estar sempre buscando novas fontes de conhecimento, para que assim consiga passar o conteudo de forma clara e objetiva, deve estar sempre se atualizando para não transformar sua aula em algo monotono e cair em uma mesmice, porém falar, mostrar o nosso ponto de vista é muito facil, falar do belo e do certo, contudo na pratica sabemos que é muito difil mudar nossa cultura se não dizer utópico, mas eu como bom brasileiro ainda trago a esperança de algo melhor, pois sonhar nunca é demais.

  49. Aline da Motta Licenciatura sabado posens Says:

    HQs conquistam respeitabilidade, viram política de governo e mostram vigor como arte narrativa serial

    A possibilidade de trabalhar com quadrinhos nas salas de aulas assim como a disponibilização nas bibliotecas, representa mais uma modalidade que promete diversificar o ensino. Os quadrinhos são atrativos aos alunos, e prometem sim melhorar o interesse pela leitura pelos estudantes, mas desde já é importante prezar pela qualidade dos quadrinhos para que estes não acabem prejudicando o aluno pela linguagem muitas vezes “não própria” (gírias de personagens, personagens que falam errado, entre outros) para alunos que estão em fase de desenvolvimento escolar.

  50. Estanislau Says:

    Parabéns!!!

    Todos os “tópicos” enumerados na entrevista são sem dúvida bons apontamentos e direcionamentos para qualqeur profissional envolvido com a educação, mas também inclui pontos pertinentes a qualquer profissinal – de forma que muitos pontos são “universais”.
    Qualquer carreira de sucesse deve considerar a fromação continuada e a autoavaliação como pilares de desenvolvimento. Não existem profissionais realmente bons que não realizem tais “tarefas”.
    Mas o interessante foi que a Professora Dinéia conseguiu aí tecer comentários realmente “clareantes” acerca de temas tão complexos.

    Grande matéria Elisa, e obrigado!!!
    Estanislau

  51. Ellen Nunes - Licenciatura- Sábado Says:

    Olá Elisa Kerr achei muito informativa e relevante essa reportagem. O tema da formação continuada é um assunto muito pertinente para nós, educadores que visamos um ensino construtivista.
    Me interessei principalmente pelo ponto em que fala sobre auto avaliação, pois, esta prática leva o profissional a refletir sobre cada situação de aprendizagem individualmente, e o força a sair do tradicionalismo, que se mostra ultrapassado para a vivência escolar.
    É de suma importância que tenhamos acesso à esse tipo de conteúdos.
    Parabéns pelo seu trabalho.

  52. Mara Rejane Marçal (Posens) Says:

    Muito bem colocado!

  53. Tiago L. Santiago (Lic./Sábado) Says:

    Bom dia professora Dineia.
    Lendo esse pequeno artigo, pude refletir um pouco sobre o ensino que tenho no meu curso de bacharel. A educação física, criticada por muitos anos e ainda tendo infelizmente pesimos profissionais atuando na área escolar é vista como uma disciplina com pouca importância na construção do conhecimento do aluno, porém essa realidade há alguns anos vem se modificando, pois devido a bons cursos, no caso o que a faculdade São Judas oferece, já mostram que para que o professor consiga transmitir determinado conteúdo, este deve ser interessante ao aluno para que ele se sinta interessado em aprendê-lo. No meu curso meus professores sempre enfatizam a necessidade de sempre estar se atualizando, afinal na minha área o conhecimento científico vem cada vez crescendo mais e a necessidade de estar atualizado contribui para que o professor esteja antenado no “novo” e assim consiga sair do “tradicional” em suas aulas, trazendo assim mais motivação tanto para os alunos, como para ele próprio. E claro, isso se reflete a qualquer disciplina que um professor deseje ministrar.
    Bom é isso.

    Um grande abraço a todos.

  54. Héllide Augusto Says:

    Oi!
    O professor que está sempre se atualizando demonstra amor e respeito por sua profissão e principalmente por seus alunos, pois um professor que analisa seus conhecimentos e percebe suas falhas estará oferecendo mais para seus alunos.
    Atualmente os professores que se destacam são aqueles que estão sempre se renovando.
    O professor que percebe que está sempre aprendendo está um passo à frente e é esse pensamento que os alunos da professora Dinéia sempre levaram para si.
    Héllide

  55. Clayton Santos Souza licenciatura de sábado, disconsidere o anterior Says:

    Olá professora como sempre se preocupando muito com futuros profissionais na área da educação e dos atuantes. Quem sou eu para discordar, e acho tambem que não só nós professores temos um conhecimento mais ricos como nossos alunos terão um ensino com mais qualidade, parabéns professora continue assim pois tem muitos díscipulos que irão te seguir!

  56. Diva Barbosa Nunes Says:

    Diva Barbosa Nunes-Licenciatura Universidade São Judas-Prof.Dinéia e Elisa.
    Quanto a sua entrevista sobre a educação, achei de suma importancia para todos aqueles que de fato dedicam amor e buscam o diferencial, e poder Falar de duas grandes mulheres torna-se difícil, quando o assunto é “educar”, mas sinto-me honrada de poder fazer um breve comentário.
    Estamos vivendo grandes transformações e como fazer para adapta-las aos novos conceitos e comportamentos. Antigamente o professor era visto como “aquele que sabia muito e tinha responsabilidade ao transmitir seus conhecimentos” e hoje vejo de outra forma, o professor deve ser na verdade um grande artista para poder transmitir o conhecimento de uma forma diferenciada, encontrando naqueles que ainda não tem nenhuma noção algo que possa identificar como diferencial e ampliar com suas experiencias algo que marque sua presença e intelectualidade, para uma futura somatória. Devemos ser parceiros nesta busca.
    Professora Dinéia, seu trabalho é gradioso e muito nos ajuda a formar nosso ideiais. Quanto ao trabalho de Elisa, quantos reflexos positivos podemos extrais.

  57. Felipe Franco Says:

    A formação academica vem como uma base para o educador exercer a profissão, mas logicamente a aprendizagem vem com o tempo e a experiencia. Toda essa aprendizagem não pode ter fim, pois havendo um fim o professor se torna uma pessoa “velha” em conhecimentos não podendo assim transmitir novas ideias e conceitos para os educandos. Portanto a formação continua é importantissima para que haja educadores aptos a transmitir os conhecimentos para os educandos.

  58. Rafael Tadeu Says:

    Realmente o que a nossa querida professora diz é real a formação continuada deve existir para que o educador possa transmitir sempre algo novo para o educando, poré, talvez seja dificil juntar a realidade com a necessidade, pois os professores que ficam mto tempo sem estudar acabam se acomodando com a ideia de ter o tempo de ócio apos o trabalho apenas para descansar, mas realmente é importantissimo que haja a reciclagem dos conhecimentos.

  59. Mara Rejane Marçal (Posens) Says:

    Olá professora Dinéia,
    gostei bastante das colocações feitas!

    Gostaria de dizer que em todas as áreas do conhecimento existe a necessidade da continuidade. O indivíduo que se acomoda a um único pensar e agir acaba por perder sua identidade como ser humano. Faz cessar sua habilidade para compreender e ser compreendido por seus iguais.
    Estamos vivênciando o resultado do perigoso jogo de “passar a responsabilidade adiante” e esperarmos que tudo seja feito pela iniciativa pública e pela vontade política de governos que, nem sempre, priorizam a educação em seus planos ação.
    Compreendo que existe a frustração e o descontentamento dos educadores face as situações que precisam enfrentar em seu dia a dia. Contudo, ficar preso a uma rotina desgastante não mudará a realidade atual. Todos os profissionais, em todas as áreas, precisam dedicar tempo e empenho para alcançarem a realização profissional, e todos são extremamente pressionados para isso.
    Quanto mais imprescindível não é, então, a formação continuada para os professores, que, querendo eles ou não, têm a oportunidade para formar uma sociedade melhor, um país mais justo, uma nação realmente livre!

  60. Rosilene Gomes Ribeiro Says:

    Li a entrevista e concordo.

    Professor que também é aluno tende mesmo a ser um melhor professor, isso faz toda diferença. Há uma espécie de aproximação com o aluno. Quebra-se um pouco da relação “dominador-dominado”, e assim, ambos são estudantes; o professor mais experiente, um eterno pesquisador; o aluno um aprendiz que tem como orientador alguém que sabe o que é aprender. Mesmo com os inúmeros obstáculos de cunho político, financeiro, etc, ainda existem opções interessantes para que o professor se forme continuadamente, como as apontadas na entrevista.

    Rosilene Gomes Ribeiro – Política /sábado

  61. Cristiana Agda - Licenciatura (Sábado) Says:

    Ensinar é uma profissão difícil.
    Assim um profissional que desiste da formação continuada por conta de qualquer problemática existente , estará multiplicando as dificuldades em educar. A professora Dinéia ainda orienta iniciar a formação continua no espaço escolar . É logico , pois a busca pela formação continuada e os seus resultados tem todo o odjetivo no espaço escolar.
    “Não há docência sem dicência” , bem diz Paulo Freire.
    É na prática educativa que o educador aprende, se critica , repensa no curriculo metodologias e nos objetivos .Experimenta novas idéias , testa práticas , estando preparado para errar e repensar sobre seu erro.A falta de tempo é um grande impecilho para quem busca a formação continuada , mas não é um inimigo.Foi mostrada no texto inumeros caminhos para o aperfeiçoamento . Um desses caminhos são os HTPCs que é o momento do educador, buscar e COBRAR informações que a ele é direito.Trocar informações com outros educadores e aconselhamentos com os quem possuem visões diferentes e iguais.
    A Formação Continuada , tem que fazer parte da vida de um educador tanto na formação docente quanto a prática educativa.

    Cristiana Agda – Artes Plásticas

  62. Rosiane Pereira da Silva ( Licenciatura, turma de sábado) Says:

    Olá Professora Dinéia.
    Apreciei bastante o conteúdo de sua entrevista e acredito que para nós alunos e futuros docentes, esse tema é de grande relevância para refletirmos sobre qual o valor que iremos atribuir à nossa prática profissional. Ser professor é uma imensa responsabilidade, um ofício sério que requer, entre outros aspectos, comprometimento com a arte de ensinar. Diante de tantos problemas, alguns possíveis de observação em nossos estágios, se faz necessário que o professor exercite o senso crítico para dimensionar os fatos de forma mais abrangente e aprofundada, assim como a flexibilidade de pensamento e atitudes, para repensar seus conceitos, padrões de procedimentos e questioná-los no sentido de implementar mudanças e assumir o compromisso verdadeiro com a arte de educar. Analiso que esse exercício crítico e reflexivo, aliado à humildade para se autoavaliar e reconhecer a importância de continuar aprendendo, sejam um valioso passo para a busca de melhorias e a continuidade dos investimentos no aperfeiçoamento profissional. São vários os obstáculos, barreiras, dificuldades a serem vencidos, mas também existem inúmeras oportunidades, algumas bem próximas se pararmos para observar o próprio dia-a-dia em sala de aula. O professor que se dispõe a estar presente verdadeiramente na relação com seus alunos, por exemplo, tem melhores condições de ficar atento aos acontecimentos e pode aproveitar melhor esse contexto para ensinar e também aprender com os mesmos. Em suma, acredito que o professor crítico, reflexivo, consciente sobre a importância de prosseguir com seus estudos, tanto através de programas de aperfeiçoamento quanto através da relação com seus alunos, reforça suas energias e alimenta a motivação para enfrentar os desafios e ampliar as perspectivas em seu campo de atuação, mantendo vivo o interesse na busca de qualificação e constante formação.

  63. Edson Luiz Barbosa dos Santos Says:

    Olá mestres,

    Aqui vai meus cumprimentos pela iniciativa e aos relatos: dificuldades financeiras, longas horas de trabalho e as várias funções do professor são alguns dos grandes bloqueios para avanços na educação da atualidade. Mas, devemos apostar na esperança de que o ensino não morre, desta forma conseguiremos ainda refletirmos sobre quem somos e sobre nossas espectativas e desejos. Façamos nossos alunos seres mais esclarecidos.
    Um abraço.
    Edson Santos – Tradutor e Intérprete

  64. Andressa Castro Gomes Says:

    USJT (Licenciatura – Políticas/Sábado)
    Não há como negar a cobrança que vem crescendo perante a profissão de educador. Quando mencionamos a palavra “educador” devemos diferenciá-lo do antigo professor. Aquele que, com algumas exceções, após sua formação acadêmica acreditava já estar pronto para o mundo docente e que assim estaria até sua futura aposentadoria.
    Porém as exigências hoje são outras. A figura deste professor está desgastada. Atualmente os próprios educandos pedem por mais informações e se não pedem temos a obrigação como mediadores de lhes deixar a par dos acontecimentos atuais contextualizando e ligando a disciplina que lecionamos com o mundo que o rodeia.
    Infelizmente as excessivas horas de trabalho, que tem como finalidade suprir as necessidades financeiras desta classe pouco valorizada, faz com que este profissional não tenha vontade de dedicar mais tempo a uma formação continuada.
    Porém, não acredito que um bom educador não queira se dedicar a esses momentos de estudo para poder fornecer novos conceitos a seus educandos.
    Caso não haja a possibilidade de assistir a congressos, palestras, fazer novos cursos e discutir com seus colegas de profissão, em último caso o educador tem a possibilidade de estudar através de livros e acompanhar entrevistas em horários propícios. O que não deve acontecer é a acomodação diante do seu papel de formador.
    Nós educadores não podemos parar no tempo.

  65. Edison Vieira Pavão - Licenciatura (Sábado) Says:

    Parabéns pelo Blog e pelo artigo da Profª. Dinéia.
    O saber e o conhecimento devem ser desejados pelo professor, sua busca e aquisição são melhores do que todo o ouro, porem não podem ser comprados. Os saberes adquiridos também não devem ser entesourados e sim compartilhados. Essa formação continuada será capaz de melhorar a vida do professor, é isso que o motiva, pois o trabalho é fonte de vida e não de renda. É um trabalho que transforma e renova todos aqueles que estão á sua volta, e conseqüentemente tem o poder de edificar as vidas proporcionando um alicerce sólido.
    Tudo isso exige trabalho (Ergo -grego), esforço, deve ser buscado e desejado pelo professor não somente em seu ambiente acadêmico, mas além dele, aproveitando as oportunidades que se apresentam. Assim como o professor se imagina assim também ele será. Então sigamos em frente, sejamos constantes em todo o nosso procedimento.
    Como disse Paulo Freira “…aprender não é um ato findo. Aprender é um exercício constante de renovação…”.

    Um abraço,

  66. Dayse Brainer (Licenciatura sábado) Says:

    Ola professores!!!

    Partindo do preceito que o professor educador acaba sendo um modelo para seu aluno, aquele que não se mostra pesquisador nunca irá consegui aguçar em seus educandos a fome pelo conhecimento, a curiosidade que se faz necessária no processo de educação.

    A formação continuada possibilita o contato com o mundo científico que por sua vez será aplicado na realidade, influenciando nas atitudes e procedimentos a serem seguidos e aprendendidos pelos prof° e alunos. A prática deve se basear na teoria e vice versa para que possa estar sempre se transformando, entramos no esquema pensamento, ação e reflexão que se faz indispensável para nossa prática.
    Uma vez que assumimos o desejo de sermos educadores, firmamos um compromisso com pessoas que ainda nem conhecemos, e é da nossa constante formação que a formação deles dependerá.

  67. Michele Maia Pontes licenciatura(sábado) Says:

    Olá Professora Dinéia!!!
    Primeiramente quero parabenizá-la pelo excelente trabalho que têm feito nesse blog, fico muito contente em poder apreciar as suas experiências e o seu conhecimento diante de um assunto tão importante.
    A formação continuada ainda é um grande desafio para nossa sociedade, pois apesar de termos muitas ferramentas (educação á distância, projetos do governo, livros, sites de pesquisas etc) as quais nos beneficiam para uma prolongada formação, falta ainda em muitos profissionais seriedade, compromisso e honra pela nação.
    Como ensinar sem aprender???
    “A cada dia que passa o mundo está mudando e renovando, junto com ele devemos andar”. Para termos futuros cidadãos competentes precisamos de presente professores reflexivos e que estejam aptos para ensinar as alterações do mundo a nossa volta, que sejam renovadores também e caminhem junto com a tecnologia e as atualizações, desse modo precisamos de profissionais estudiosos que enfatizem sempre a formação continuada porque ninguém fica pronto com certificados e diplomas. Todos aprendem continuamente. Por isso, com ou sem planejamento, professores devem estar sempre na estrada do aprender. Aprendem com os pares. Aprendem com os alunos. Aprendem com os acertos e com os erros.
    Os professores crescem gradativamente na formação continuada, abrindo sempre novos horizontes do saber, do conhecimento, e se capacitando a cada dia para atender a nossa sociedade. Não tenho dúvida de que grande parte dos nossos problemas escolares se cessaria com a introdução de projetos de formação continuada dentro do ambiente de trabalho dos professores, pois como já citei temos ferramentas para isso, porém precisamos de uma corrente maior que nos motive e leve-nos a grandes conquistas na educação do nosso país.

  68. Fernanda Avila - Licenciatura USJT (sábado) Says:

    É impossível ler o texto e não concordar pelo menos com uma frase.
    A formação continuada é sim muito importante entretanto mesmo muitos sabendo disso não a fazem, acredito que um educador não deve ser só uma máquina de repasse de informações, há muito o que aprender com os educandos e uma das melhores formas de educar é a troca, nos dias de hoje onde a informação está ai ao alcance da maioria o professor que se mantém atualizado já sai na frente nesse difícil mercado de trabalho.
    Não podemos esquecer que a escola possui uma grande parcela na construção de cidadãos responsáveis e participativos, não basta ensinar somente conhecimentos científicos é sua função formar indivíduos capacitados a se integrar a sociedade, conscientes de seus deveres e responsabilidades e aptos a exigirem seus direitos, portanto precisamos de educadores aptos a a assumir esse papel!

  69. fabiana Poltronieri - sabado Says:

    Olá …
    gostaria de parabenizar a Professora Elisa pelo blog e a Professora Dinéia pela entrevista belissima.
    A formação continuada precisa acontecer e ser praticada por todos os professores . e muito importante pois estabelece o conhecimento aprendizagem de estudos e coisa novas a cada dia , a cada ano. todo momento podemos aprender alguma coisa. Portanto deveria se obrigação do professor , estudar aprender novos caminho a todo instante.

    parabéns pelo belo trabalho, Dinéia e Elisa

    obs : fabiana DP Linceciatura aos sábados.

  70. André Militão de Lima (Posens sáb.) Says:

    Assim como em qualquer serviço, o profissonal tem que buscar algo novo, diferente, para que alimente seus anseios e que procure seu aprimoramento tanto profissional quanto pessoal. No momento que busca essa formação continuada, ela traz consigo uma sociabilização com outros colegas, pois, afinal de contas o homem é um animal sociável.
    Claro que na prática não é tão fácil, pois, professores estão trabalhando em duas, três escolas para tentar se manter.O que leva a crer que há um grande problema, pois, os governos não valorizam o professor e deixando claro que falta escolas, vagas e condições para manter os alunos estudando.
    Quem sabe o dia que os governantes perceberem que os altos índices de analfabetos, desistentes da escola, maior numero de infratores da sociedade são nada mais que vítimas do descaso público com a educação da população brasileira!!!

    Professora muito importante seu trabalho, parabéns!!!
    André Militão de Lima-Graduando em Filosofia e Licenciatura pela USJT

  71. Roldinei Luiz Corrêa POSENS - Sábado Says:

    Primeiramente gostaria de parabenizar a Professora Elisa e Dinéia pelas importantes informações e conhecimentos que passam, ou pelo site ou em sala de aula, pois são de grande valia na minha formação.
    Agora, passando para a entrevista, acredito que a formação continuada deveria se estender para todos os ramos do conhecimento, pois qualquer profissional tem que estar sempre em constante aprendizagem para que possa acompanhar as constantes evoluções que nos deparamos no campo do conhecimento e isso deve ser feito em qualquer fase da vida, independente de idade ou nível educacional e no caso da educação, esse processo deve ter maior consideração ainda.
    Lembro-me de uma das aulas da professora Dinéia, que citou o exemplo de um professor aposentado e que ela reencontrou pelo campus da USJT e ele estava estudando de novo, acredito que atitudes como essas são excelentes exemplos para nós que estamos estudando e trabalhando no campo da educação.
    No entanto, acredito que existem dificuldades para que possamos continuar neste processo de educação continuada e aperfeiçoamento, como elencou a professora na entrevista (políticas públicas às vezes desconexas, falta de estrutura e tempo), no entanto, a mesma aponta soluções e acredito que são possíveis e válidas, pois temos cursos a possibilidade dos cusos à distância e também há a idéia da formação de grupos de estudo com professores de diferentes áreas.
    Neste sentido, não dá para desanimar, temos sempre que buscar novas formas de aprendizagem e conhecimento e o caminho para que isto se dê com eficiência, deve ser feito pela educação continuada.
    Roldinei Luiz Corrêa – Licenciatura – Sábado

  72. Viviane Martoni Says:

    A educacao continuada e imprescindível na vida de qualquer profissional. Concordo plenamente quando a professora Dineia diz: que a educacão continuada é um processo que não pode ter fim. Precisamos estar sempre atualizados, buscando conhecimento e aperfeicoamento a cada dia. Essa educacao continuada é indispensável na vida do professor. Mas infelizmente muitos deles param no tempo, não se preocupam em atualizar-se, não se auto avaliam e não refletem sobre seus trabalhos. Talvez pelas dificuldades como diz a Dineia, ou pela falta de vontade do docente. Independente qual seja a situacão, precisamos ter em mente que somos sempre aprendizes e nunca teremos a sabedoria perfeita. Quando estudamos uma segunda lingua, temos que estudar constantemente, praticando a conversacão e aprendendo novas palavras e gírias que surgem no dia-a-dia. O mesmo acontece com a carreira de um professor e/ou outro profissional.
    Queridas professoras parabéns pela matéria,o tema abordado é muito importante para o profissional.
    (Desculpe por algumas palavras que não estão corretas, é porque meu computador está com outra configuracão e não tem alguns acentos e letras).
    Viviane Martoni- Licenciatura sábado

  73. Roseane Soares - POSENS Sábado Says:

    Olá, professoras Elisa e Dinéia!!!
    São tantas as lições que se pode obter com essa entrevista que chega a ser difícil pensar numa maneira de iniciar esse comentário…
    “É aprendendo que se ensina”: o título já é mais que esclarecedor, é instigante. A educação é como um grande organismo VIVO, ou seja, está em constante transformação. O professor deve estar sempre atento a isso. Atualmente muitas coisas estão surgindo e, com o avanço das novas tecnologias, todo ano aparecem novidades que logo se inserem na vida das pessoas. Acreditar que as transformações da sociedade não afetam o meio escolar é ignorância. Dentro desse pensamento, um professor consciente irá perceber, sem que ninguém precise lhe “cutucar”, que não pode acomodar-se. Tenho apenas 21 anos e estou estudando com o intuito de ser uma boa educadora. Sou jovem ainda e me falta experiência se, por acaso eu quiser me comparar com as colegas da área que já estão em atividade há muito tempo, no entanto, com tudo isso, atrevo-me a dizer que tenho a consciência do quanto terei de estudar e aperfeiçoar-me daqui para frente, em conhecimentos teóricos que sejam refletidos nos práticos. Sou jovem, mas já percebo a diferença entre a educação que eu tive com relação a qual, por exemplo, meu sobrinho de 6 anos começa a ter. Se é melhor ou pior, realmente, não me importa entrar nesse juízo de valor. Interessa-me, honestamente, saber o quanto essa educação será importante na formação de caráter dos alunos e o quanto, realmente, ele a utilizará em sua vida além da escola.
    É fato: “todo o ser humano tem medo do novo, daquilo que não conhece”. Esse medo não pode, no entanto, atravancar e atrapalhar o que pode ser bom para os alunos. Ser professor exige, como a profªDinéia citou, grande autoavaliação, auto-observação de forma reflexiva. O medo também pode ser um dos motivos que impede que o trabalho coletivo aconteça com mais eficácia: não saber como a outra pessoa irá entender as suas idéias, como irá acolher novas possibilidades assusta. Trabalhar em grupo nem sempre é fácil, é preciso saber negociar e visar o objetivo acima dos interesses (dificuldades e medos) pessoais. Trabalhei em algumas escolas municipais (como estagiária, antes de entrar na Licenciatura) e falo da minha experiência, do que pude observar e compreender.
    Para conseguir qualquer coisa é necessário ter vontade e esforço. A partir disso, buscar novas possibilidades de melhorar ou de administrar o próprio estudo torna-se um pouco mais fácil. Como foi citado pela mestra Dinéia, não nego que existam vários fatores externos, sobre os quais os professores não tem nenhum tipo de controle (como as mudanças de planos devidos as trocas de governos) que podem dificultar muito a busca de continuar sua formação. Mas culpar esses fatores sem “mover uma palha” é muito fácil.
    Acredito, particularmente, que a todo momento podemos aprender alguma coisa, às vezes mais ou menos útil para nossa vida e crescimento pessoal, mas se estivermos sempre dispostos e receptivos, aprenderemos algo novo todos os dias. Ah, e os alunos sempre nos ensinam alguma coisa…Para mim o professor é esse ser: que aprende a toda hora e descobre formas eficazes de passar esse conhecimento adiante.
    Gostaria de escrever muitas coisas mais, mas quero amadurecer algumas idéias ainda, entender mais coisas…
    Por enquanto, é só.
    Bjos e parabéns pelo belíssimo trabalho, Dinéia e Elisa (seu blog é ótimo!!!).

    Roseane Soares
    POSENS – USJT, sábado 11h.

  74. Priscila - sábado Says:

    Olá professoras Dinéia e Elisa,

    Educar e se reeducar. A formação continuada é importantíssima não só para o crescimento profissional, mas para o crescimento pessoal. Quanto mais entramos em contato com novas teorias, com novas idéias mais evoluímos e podemos estimular nossos alunos.

    Todos sabemos que a carreira, economicamente falando, não chama atenção, as dificuldades em sala são muitas, a falta de material e estrutura, também. Todavia é preciso ter vontade e vencer a cada dia as barreiras, uma das formas de cruzar as trincheiras é estudar, ler e reler, e tornar a ler. Trocar experiências com outros profissionais, por exemplo, nos HTPCs, como disse a professora Dinéia.

    O grande desafio do profissional docente, mais do que intermediar a aquisição de conhecimento pelo aluno, é se auto-avaliar e tomar cuidado para não cair na rotina e acabar cristalizando as práticas pedagógicas. Quem assume o “sacerdócio”, que é a profissão docente, deve ter clara na mente a necessidade de permanecer pesquisando, estudando e se esforçando para criar possibilidades para que o educando cresça.

    Erramos, acertamos, lemos, relemos, pensamos e repensamos, buscamos soluções e novidades, enfrentamos um sistema defasado e o desafio de fazer um bom trabalho é imenso, mas quando o resultado de tanto empenho vem o crescimento moral e profissional de um aluno, é gratificante! E nos motiva a continuar.

  75. Letícia Yamada - Licenciatura - Sábado (LI06C) Says:

    Profª. Dinéia, primeiramente parabéns pela entrevista!

    Realmente a formação continuada se faz cada vez mais necessária nos dias de hoje em que as mudanças estão tão rápidas. O professor não pode “estacionar” no tempo, se acomodar achando que seu método de ensino é o melhor e o que dá mais resultado. Ele deve ter a consciência de que se atualizar é extremamente importante para ele se adequar à realidade do seu aluno, para “falar a mesma língua” que ele.
    Buscar novos recursos pedagógicos, relacionar o conteúdo da aula com os assuntos atuais é uma forma de melhorar o ensino no Brasil. É importante ter uma matéria-prima concreta e atualizada para colocar em prática sua competência profissional e passar para seus alunos um conteúdo interessante e confiável.
    Para se atualizar é necessário querer. É muito fácil colocar a culpa no governo, por exemplo, e dizer que não é possível porque a escola não possui recursos ou mesmo o próprio professor não possui recursos financeiros para pagar os cursos e livros. Existem bibliotecas públicas onde o professor pode procurar tais recursos e também com a facilidade de acesso à informação que temos hoje é possível estudar e se aprofundar pela internet, através de grupos de estudo e também utilizando a criatividade para modificar seu método de ensino.
    Portanto é obrigação do professor provocar mudanças no cotidiano escolar, inovar e formar os alunos como cidadãos críticos para que eles também se tornem profissionais competentes e éticos no futuro.

  76. Letícia Yamada - U Says:

    Realmente a formação continuada se faz cada vez mais necessária nos dias de hoje em que as mudanças estão tão rápidas. O professor não pode “estacionar” no tempo, se acomodar achando que seu método de ensino é o melhor e o que dá mais resultado. Ele deve ter a consciência de que se atualizar é extremamente importante para ele se adequar à realidade do seu aluno, para “falar a mesma língua” que ele.
    Buscar novos recursos pedagógicos, relacionar o conteúdo da aula com os assuntos atuais é uma forma de melhorar cada vez mais o ensino.

  77. Philippe de A. Iwantschuk - USJT - Sábado Says:

    Salvem os desbravadores da mudança!

    Pois é, mesmo com todas as dificuldades encontradas pelos profissonais da educação, mesmo sendo profissionais, precisamos nos educar… E não apenas educar-se de forma científica, mas de uma forma que consigamos nos permitir a continuar nos educando.

    Embora se possua diversas dificuldades para se estabelecer em um mercado de trabalho, a maior dificuldade e termos meios de nos estabelecer neste mercado e após isso, realizar um trabalho fidedigno aos anseios pessoais e morais.

    O fato de entrar numa sala de aula e cumprir suas obrigações burocráticas é fácil, porém fatidico, e neste movimento de pensar apenas no fim do mês, impede muitas crianças de chegar onde estamos. Claro que não são todos, mas convenhamos, a grande maioria se quer poderá um dia chegar numa posição, ao qual se permita realizar uma pós-graduação.

    Felizmente há um movimento de mudança que aos poucos vêm ocupando o cenário da educação. Mas quanto tempo será necessário para se observar uma mudança nítida neste quadro atual?

    Não sou e nem quero que pensem que sou negativista, mas muitos fatores remam contra está situação ao que desejamos. E é neste sentido que acredito que o momento é de “guerra” e de muito suor, pois com a atual formação (graduação e pós), percebe-se que os educadores saem fervilhando com teorias e meios de aplicação de mudança, mas esbarram em um sistema truncado e feito para se destacar apenas poucos resultados.

    Devemos tomar o alto da torre e conquistar o castelo, pois só assim políticas públicas facilitarão e permitirão o ingresso de muitos em todas as áreas do saber.

    Mas, antes de qualquer coisa, devemos dar as mãos e todos os educadores – de qualquer tipo – falar a mesma língua e principalmente agir da mesma forma, pois infelizmente ainda existem os desertores que caminham do lado oposto e eles são muitos, impossibilitando nossas estratégias e traindo seu juramento.

    Sem mesmo terminar a minha licenciatura, já me senti tentado em largar a causa e partir para outro lado qualquer. Mas ao avaliar a minha conduta e o meu trabalho, percebi que não poderia sair agora, pois ainda estou começando – e com dificuldades – mas não de trabalho, mas de companheiros que não carregam comigo a esperança de mudança.

    Meu desejo de continuar me formando é lógico e necessário, mas assim como muitos, encontro dificuldades. Busco então, sempre me envolver em projetos e processos que me motivem a seguir nesta andança e felizmente – ao ler o texto e analisar minha vida – percebi que é válido e assim como tudo na vida, temos momentos altos e baixos.

    A ideia é nunca desistir e aceitar que se faz a coisa certa, mesmo que simples, seu momento irá chegar. Apenas perceba seus alunos e sua vida.

  78. Beatriz Catelani Dias -Licenciatura sábado Says:

    Concordo com o texto de que o profissional da educação tem que se aprimorar sempre, aliás, não só na área da docência, mas em todas as áreas, pois um profissional atualizado é um profissional que busca novos métodos e adquire mais experiências para poder exercer melhor a sua função. Na área da educação, mais especificamente, o professor tem que estar sempre em busca de aprimoramente, ou seja, nunca parar seus estudos, tentar dar prosseguimento à formação continuada. Pois, os docentes necessitam dessa formação continuada para poder passar melhor os seus conhecimentos para os alunos e se dar melhor com estes. Os meios que foram apresentados no texto para a formação continuada são de grande valia, principalmente o HTPC, pois é um meio que se começa dentro da própria escola entre os próprios professores.
    Portanto, acredito para que o professor possa oferecer o melhores intrumentos em uma sala de aula ele deve começar com os seus próprios meios de formação continuada.

  79. Aline de Oliveira Zoia (Licenciatura sábado USJT) Says:

    Prof.ª Dinéia

    Ótima entrevista. Ela evidência a importância de o docente refletir sobre sua prática e como a mesma influência no aprendizado dos alunos. Tenho observado, através do meu estágio, a diferença entre professores atualizados e acomodados, na qual, aqueles que buscam se avaliar conseguem efetivamente conduzir o educando. Por esta razão concordo inteiramente com sua fala no texto: “A formação continuada não se apresenta por si só como a solução para os problemas de qualidade no ensino, mas abre perspectivas de construir ações coletivas, na busca da qualificação do trabalho docente”. Um despertar de idéias para ingressantes nesta profissão, como eu, para não se desestimular e cada vez mais aprimorar sua forma de ensino.
    Parabéns!

    Aline de Oliveira Zoia – Licenciatura (sábado) USJT

  80. Luanah Licenciatura 2ª feira Says:

    Concordo com tudo que foi dito nesta reportagem. realmente acredito que a formação continuada é um dos caminhos para se melhorar a educação no Brasil. É muito comum hoje em dia vermos professores graduados há 10, 20 anos e que nunca mais fizeram algum tipo de curso ou atualização… isso é lamentavel. Além disso pouco se ve de discussão pedagogica nos HTPC… que seria outro momento importante para essas reflexões do cotidiano escolar. Realmente essa frequente atualização dos professores é muito importante para a evolução do ensino brasileio!

  81. Victor Soficier (Form. de Professores, USJT) Says:

    Não vejo diferença entre a “educação continuada” e a educação pessoal, que todos nós praticamos na leitura de um livro, na reflexão sobre temas políticos, no correlacionar os mais diversos. (Por natureza eles são correlacionados, o conhecimento não pode se desmentir, caso contrário é desconhecimento. Nós compartimentamos a Natureza na tentativa de compreendê-la).

    Em Paleontologia, meu sítio de estudo preferido, posso estar me aprimorando lendo um livro, ou estudando a estratigrafia da Ilha comprida em São Paulo. Creio que a formação continuada instucionalmente é mais improtante para instituições que para os alunos, haja vista que muitas vezes a desatualização e ignorância está presente mesmo nos mais altos pontos da pós-graduação brasileira (não tenho conhecimento para falar internacionalmente). Assim, o bem-pensar deve compensar qualquer desaventurança de uma instituição, e para isso, as bases devem ser sólidas, sendo construídas o mais cedo possível, por educadores (pais, professores, tutores), para que esse espaço não seja dominado pela incompetência.

    O curso a distância que estou fazendo me desenhou um tipo de ensino que presencio ocasionalmente – um material didático de ótima qualidade com avaliação justa. É claro que, o educador por trás desse material, é, no mínimo, um ótimo cientista na sua área.

    Assim, tão importante quando professores sempre estudando, é bons professores sempre ensinando.
    Claro que não discuto a importância da participação em congressos, simpósios etc. Isso, isento da opressão acadêmica por parte de políticas pessoais, é na minha opinião o segundo ponto mais importante – o intercâmbio de informação. O primeiro, é claro, é a leitura de textos e vídeos de qualidade – que geralmente são gerais, preparando o cognoscente para o específico. O que seria da especificidade sem a generalidade…

    Penso que, por trás de uma boa formação, existe dois lados de uma moeda: um aluno cético e curioso, um professor cético e curioso. Mas só se ambos estiverem mergulhados em idoniedade e conhecimento haverá progresso no saber de ambos.

    Abraço, Elisa e profª Dinéia!!

    Victor Soficier

  82. Carolinna C. Bertasso - Licenciatura 2ª feira 17h20 Says:

    Ola prof. Dinéia , primeiramente quero agradecer e parabenizar pelo ótimo texto.
    Acredito que ser professor é uma das profissões mais belas que existem, mas para que este título tenha seu real valor, é necessário àquele que o carrega fazer por merecer, e uma das atitudes para que isto ocorra é sempre se manter atualizado e em busca do melhor para a formação de seus alunos e de si próprio.
    Concordo com o texto quando ele diz respeito a importância da formação continuada para a melhora do ensino brasileiro e que para isso o professor deve ter força de vontade.
    Mas infelizmente muitos dos profissionais atuais não a possuem, agravando ainda mais o problema da má educação nacional.
    Espero que esta estatística seja passageira para que possamos num futuro não muito distante nos orgulharmos da educação de nosso país.

    Obrigada e abraços!

  83. Ingrid Gonçalves Trivellini Okajima - Segunda feira 21h Says:

    Muito pertinente esta postagem. Concordo com a professora Dineia, pois quando participo de palestras e cursos vejo o quão importante é a formação continuada para ter acesso as novas teorias educacionais e aos projetos que obtem resultados positivos, mesmo cursando a graduação há muitas informações na area da arte educação que a universidade não consegue transmitir devido ao tempo de aula. Nos encontros com educadores promovido por museus, institutos e centros culturais é possivel se atualizar e trocar experiencias, além de observar como outros professores lecionam.

  84. kelly Carolina -- Licenciatura-- 2ª feira-- 17h20 Says:

    Olá professora Dinéia e Elisa, agradeço por fornecerem textos tão importantes para a educação, e tão necessários atualmente.

    A formação continuada é de extrema importância pra todos os profissionais, ainda mais para os professores, que são mediadores de conhecimentos para muitas crianças, jovens e adultos. E que para estes devem servir de exemplo.

    O que acontece é um certo comodismo com o passar do tempo. Os professores quando acabam de se formar e a dar aulas, estão sempre buscando se aperfeiçoar e aprender com seus colegas, ao pegar mais experiência essa atitude se modifica, dá-se como aprendido tudo o que deveria e nao busca-se mais conhecimentos, demostrando o comodismo.

    Este comodismo pode ser reflexo da política atual, e a total falta de esperança para a melhoria da educação, ou pode refletir uma caracteristica do proprio educador.

    É de grande importância perceber que o conhecimento não é estável, que como as grandes invenções, tambem progride e assim devemos acompanha-lo, sei que é dificil acompanhar o avanço da civilização em todos os seus ambitos, mas deve-se fazer o melhor que puder para sempre progredir.

    Assim concordo que a formação continuada é de extrema importância, é dificil de ser atingida, mas tras otimos frutos.

    obrigado pelo otimo trabalho realizado,
    kelly, graduanda da USJT licenciatura 2ª feira 17h20

  85. Izabela Matias (LI06B) Says:

    Profª Dinéia

    Acredito que a formação continuada deveria ser uma prática constante dos profissionais de todas as áreas e não somente dos professores, porém para estes se torna indispensável já que são os responsáveis pela formação de todos os demais. Os obstáculos são inúmeros, mas não devemos deixar que sejam maiores do que a alegria educar e esperança de tornar a nossa sociedade melhor atráves dos nossos alunos.

  86. Júlio César - Licenciatura 2ª Feira 19h10min Says:

    Olá Profªs Elisa e Dinéia. Apreciei com muito bom gosto o texto acima cuja pertinência do tema e clareza em seu desenvolvimento sinalizam, para nós educadores, os muitos “desvios” e “descaminhos” que dificultam a promoção de uma educação orientada por uma prática de ensino comprometida com o desenvolvimento pleno de professor e aluno. Urge concientizar-nos de que ensinar é assumir-se, antes de tudo, estudante, não somente como tal, mas alguém que ao mesmo tempo em que ensina, aprende, e ainda reflete sobre sua atuação profissional e humana, reorintando-se, quando necessário, neste plano pedagogico-crítico.

  87. Rebeca Siqueira Konopkinas, pedagogia, 1APGN Says:

    Realmente a formação continuada é uma forma de se aprimorar no trabalho como educador. Assim como pesquisamos fora da faculdade, mesmo quando ainda estamos cursando, precisamos pesquisar cada vez mais quando estamos fora. O trabalho de um professor é continuo, principalmente porque ele será formador de mentes brilhantes, e para isso ele precisa estudar para ser uma mente brillhante. professores que não continuam sua pesquisa param no tempo e começam a ser apenas educadores de uma época em que ele se formau, mas os outros educandos que virão terão idéias diferentes, e sempre será assim, porque tudo muda, e o professor tem que se adequar a isso, alias, o mundo deve se adequar a formação continuada, poruqe mesmo as matérias exatas sofrem mudanças, é contraditório, mas é verdade, pois se muitos engenheiros não continuassem se especializando, hoje teriamos geladiras de 1970, e televisores em proto e branco, Fazer uma geladeira ou um televisor pode ser sempre igual, mas fazer-los diferentes só se aperfeisoando mesmo. Mas depende do professor fazer com que essas crianças, independente da época, gostem de estudar, tenham prazer em descobrir, e sejam ótimos profissionais.

  88. Lucélia Oliveira Says:

    Uma instituição educativa séria é aquela que educa na vida e para a vida, e para alcançarmos esse conceito, é preciso deixar de lado a ideia de professor tradicional, do qual a única especialidade é difundir conteúdos.
    O educador carece de uma formação continuada, pois educação é vida, e a vida não se encontra imóvel, mas em constante renovação.
    É preciso que o docente trabalhe em conjunto com a comunidade, buscando desenvolver uma prática que sirva para aquela realidade. Trabalhar, partilhar e escutar os colegas da profissão para que possam, em conjunto, melhorar a qualidade de vida (ensino) nas escolas.
    A formação continuada precisa acontecer, não pode ser apenas mais um discurso bonito, e muito menos um projeto esquecido, o docente tem que ter consciência de sua profissão, bem remunerada ou não, ela necessita de planejamento, avaliação, troca e etc.

    Lucélia Oliveira (licenciatura)

  89. Thiago Emanuel Simões dos Santos - Licenciatura - 2ª Feira - 19:10 Says:

    Primeiramente eu gostaria de parabenizar a Profª Elisa pelo seu blog . Aproveito para parabenizar também a professora Dinéia pela reportagem, cujo assunto é fundamental e necessário nos dias atuais, tendo em vista que o mundo está em constante mudança e o que hoje é uma verdade amanhã pode estar ultrapassado. No ano passado me formei na graduação (Curso de educação Física) e em meu TCC falei sobre a formação continuada. Ao desenvolver meu trabalho pude observar o quão importante é a formação continuada, e quão necessária ela se faz, pois ao constatar que os professores atualizavam-se constantemente, evidenciou-se que os beneficiados foram os próprios alunos.
    Mas, assim como disse a professora Dinéia em sua reportagem, esse processo requer muita determinação por parte dos professores, pois, muitas vezes os mesmos participam de jornada dupla de trabalho, ou mesmo, a condição financeira o impede de participar de cursos e eventos que deveriam participar. Esse problema é sim um obstáculo, mas não deve impossibilitar o profissional de buscar auxílio de diversas formas possíveis para torná-lo um profissional atualizado e cada vez melhor.

  90. Renata Rocha de Almeida - Licenciatura -Segunda -Feira Says:

    Primeiramente gostaria de parabenizar a Professora Elisa pelo blog e a Professora Dinéia pela entrevista, ter um blog como este a disposição dos alunos com assuntos de fácil entendimento e matérias interessantes só tem a acrescentar em nossas vidas. Concordo muito com o que a professora Dinéia diz na reportagem, a vida de um professor, não é somente estudar durante a faculdade, e sim pro resto de sua vida. Um bom professor deve manter se informado de todas as atualidades, passando isso ao seus alunos da forma mais fácil a ser e entendida e aprendida. O HTPC é uma forma muito boa para se trocar experiências e discussões sobre idéias e melhorias para se realizar um bom trabalho.
    Abraços.
    Renata Rocha

  91. Rita Banho Pamplona Says:

    Li a entrevista a pedido da própria Professora Dinéia, sou sua aluna no curso de formação de professores da Universidade São Judas Tadeu.
    Ao estudar e entender o que é uma formação continuada para o profissional docente, percebemos que é uma prática fundamental e inevitável para qualquer professor. É assustador perceber através do estágio nas escolas que infelizmente isso não é um consenso, o que podemos ver por ai é que a maioria dos professores nem sabe direito para que serve o HTPC.
    Acho que um especialista em qualquer área só pode ser considerado “bom” no que faz quando vive em constante aprimoramento e reflexão sobre si e suas ações. Um educador mais do que nunca teve ter isso em mente.
    Gostei muito da entrevista e espero estar no caminho certo dessa jornada que é o trabalho docente.
    Atenciosamente,
    Rita – aluna de Práticas, segundas-feiras, noturno.

  92. FABIANA BIAZOLLA TURCCI Says:

    A FORMAÇÃO CONTINUADA É MUITO IMPORTANTE PARA TODOS OS PROFESSORES, POIS CADA DIA QUE PASSA APARECE ALGO DIFERENTE PARA SER ESTUDADO, POR ISSO OS PROFESSORES DE QUALQUER AREA DEVE SEMPRE FAZER CURSOS E SE ATUALIZAR PARA ENSINAR MELHOR SEUS ALUNOS INOVANDO CADA DIA MAIS AS SUAS AULAS E MELHORANDO A SUA FORMA DE ENSINO, A INTERAÇÃO COM OS ALUNOS TAMBEM É MUITO IMPORTANTE POIS OS PROFESSORES APRENDEM MUITO COM ELES E ISSO TORNA UMA AULA MUITO MAIS PRODUTIVA E AGRADÁVEL MELHORANDO TAMBÉM A SOCIABILIZAÇÃO EM TODOS. POIS É ENSINANDO QUE SE APRENDE.

  93. Adeli A. Amaral - Licenciatura - 2a feira - 17h20min. Says:

    Olá Profa. Dinéia,
    Primeiramente, parabéns pela entrevista. Muito interessante!

    Acredito que, o que aprendemos na graduação é somente uma pequena parte do conhecimento mínimo que temos que ter para sermos bons profissionais. A graduação nos aponta o caminho, a direção a seguir, cabendo a cada um a busca de seu aperfeiçoamento. Portanto, a educação continuada é sim importante para que se formem bons professores, pois a medida que estudamos, lemos, participamos de cursos, palestras, enfim… estamos buscando melhorar nosso prática profissional, pensando em darmos o que temos de melhor aos nossos alunos. Juntamente com a constante atualização, o professor deve também, se autoavaliar e trocar experiencias com outros colegas, pois só assim ele terá consciencia do que está ou não está coerente em sua prática e analisar a melhor forma de proceder diante de determinada situação, talvez já vivenciada por outros colegas.
    Embora não seja uma tarefa fácil, pois no caminho encontramos alguns obstáculos como a falta de tempo ou de recursos financeiros, temos que ter a certeza de que a educação continuada é uma pratica primordial para nosso desempenho profissional, pois só assim poderemos mudar algumas realidades vistas hoje e crescermos como bons profissionais que buscamos ser, sendo que, quem ganha com tudo isso, além de nós professores, são nossos alunos que buscam em nós muitas vezes, um exemplo a seguir… e quem sabe a educação brasileira de um modo geral.

  94. Caue Yamada Ferreira - Licenciatura 2ª Feira 17:20 Says:

    Primeiramente Parabéns Prof. Dinéia e Elisa pela preocupação com a Educação.
    Queria enfatizar a importância do assunto discutido pois a formação continuada deveria ser obrigatória para qualquer educador, pois, na educação não há a presença de algo chamado padrão. Todo aluno, parceiro de trabalho, escola, sala, são diferentes, e cada um tem sempre algo, mesmo que mínimo para ensinar uns com os outros. As vezes passamos por situações e tomamos atitudes que depois nos perguntamos como tomamos tal atitude e a resposta vem da formação e dos ensinamentos que nos dão base para sempre agir com ética e competência.
    E mesmo com a dificuldade financeira, a falta de valorização da profissão e a falta de incentivo a educação continua sendo essa coisa maravilhosa e que encanta muitas pessoas assim como eu.
    Isso vale de alerta para muitas pessoas que simplesmente decoram a matéria de alguma área de ensino e a repassam da mesma forma durante anos sem se preocupar, o pior é que pessoas assim ainda se intitulam professores.

  95. Diogo Camilo - Licenciatura (LI06A) Says:

    Professora Dinéia, partindo do conceito de que o professor é capaz de refletir sobre sua prática e direcioná-la de acordo com a realidade em que atua, voltado aos interesses e às necessidades dos alunos, fica clara a necessidade da formação continuada.
    Assim como a reflexão da auto avaliação, o professor não deve se abster de estudar, o prazer pelo estudo e a leitura deve ser evidente, caso contrário, não conseguirá passar esse gosto para seus alunos.
    Como dito, o professor deve possuir força de vontade para não desistir da formação continuada. Todavia, o conhecimento se atualiza de maneira extraordinária. Por isso o professor não deve se acomodar, sempre inovando suas idéias, buscando novos conhecimentos, se adequando a realidade dos alunos e iniciando um trabalho em cima disso, proporcionando uma prática diferente e construtiva para ambas as partes.
    Parabéns pelo maravilhoso trabalho. Certamente possui inúmeros adeptos.

  96. Luciana de Oliveira Rocha Says:

    Profª Dinéia, gostaria de parabeniza-la pela qualidade do seu artigo, realemente bastante contrutivo e realista.
    A formação continua é a verdadeira reparação do professora, pois atraves dela pode-se aprimorar e conquistar conhecimentos que vão de encontro com os problemas e as siuações vivenciadas em sala de aula.
    O professora deve se conscientizar que jamais estará pronto, bem como jamais terá todo o conhecimento necessario para atuar, uma vez que o processo não é estatico, existe mudanças e transformação.

  97. Raphael G B Lopes - Licenciatura 2ª Feira (17h20min) Says:

    À professora Dinéia e a todos que acompanham o blog,

    É verdade que ninguém nasce sabendo, e que a universidade cede apenas alguns elementos que irão construir a profissão e a identidade do professor. Nesse sentido, o professor deve ter a idéia que o princípio formação continuada deve fazer parte de si, pois constitui quem ele é (como trabalha, como se porta, etc.) e a profissão que escolheu. É verdade que os programas de políticas públicas educacionais não contemplam programas de aperfeiçoamento profissional e da profissão, porém, os professores não devem se esconder por trás disso, aliás, devem ter a consciência que essa foi a missão que escolheram e que devem fazer o melhor para aperfeiçoá-la, ou melhor, melhorar o nível de ensino oferecido aos alunos. Mas é necessário também que haja um trabalho coletivo e participativo de todos os que fazem parte do contexto escolar: professores, escola, políticas educacionais (governos), etc.
    Para melhor demonstrar o comentário, permito-me citar as palavras de António Nóvoa, pesquisador português, que acredito ser a muito interessante acerca da formação do professor:

    “A formação deve estimular uma perspectiva crítico-reflexiva, que forneça aos professores os meios de um pensamento autónomo e que facilite as dinâmicas de autoformação participada. Estar em formação implica um investimento pessoal, um trabalho livre e criativo sobre os percursos e os projectos próprios, com vista à construção de uma identidade, que é também uma identidade profissional.” (1981, p. 24)

    Também é necessário acrescentar que só o constante processo de acumulação de conhecimentos não é capaz de melhorar o trabalho do professor se ele não tem uma postura crítica (reflexiva) do que está fazendo. E deve também ser dado valor ao conhecimento que é adquirido na práxis (saber da experiência), na qual o professor a reconstrói, formando novos saberes e aplicando-os da melhor forma possível. Assim cabe dizer que a formação profissional do professor é construída artesanalmente, já que ele se utiliza de mínimos fatores que envolvem sua prática para reconstruir sua identidade profissional, o ser professor.

    Sem mais (acho que muito!),

    Raphael Gregory Bazílio Lopes
    (graduando de Educação Física e do Curso de Formação de Professores da Universidade São Judas Tadeu)

  98. Aline Brandino Manrique (Licenciatura 2ªfeira às 17:20) Says:

    Primeiramente quero parabenizar a professora Dinéia pela entrevista tão completa sobre a formação continuada e sua importância, e também a professora Elisa pelo blog tão bem elaborado.
    Realmente a faculdade não nos deixam prontos à nossa carreira, ela nos mostra os caminhos que temos seguir, nos dá uma direção, que nos leva ao estudo permanente e contínuo.
    Hoje não basta mais estudarmos na formação acadêmica e sermos ótimos alunos se não continuarmos assim: nos atualizando, indo a congressos, palestras, etc. Além de toda essa teoria é preciso aprender na prática, nos aproximando dos alunos, descobrindo seus interesses, enfim, quebrar um pouco o autoritarismo que ainda reina em algumas salas de aula.
    A formação continuada vai além dos muros da escola, ou do horário de trabalho pedagógico coletivo, o professor deve buscar estudo sempre, no seu dia a dia, em seu horário livre, sair um pouco da ociosidade. Esse professor que se doa ao estudo é o chamado e tão buscado, professor crítico reflexivo, que se auto avalia de forma crítica, que pensa sobre seu dia de trabalho, sobre sua aula dada ou palestra realizada. Afinal, assim ele é capaz de identificar erros e poder alterar e melhorar seu cotidiano escolar.
    Acredito que para que um professor ser crítico e reflexivo ele deve ter a consciência de seu papel na sociedade, ver que com o “caminhar” dos anos ocorrem mudanças, desenvolvimento, avanços tecnológicos e assim perceber que jamais podemos parar de estudar e nos informar. Porém essa percepção é dificultada para um professor formado há algum tempo, que não teve tanta informação sobre a importância de uma formação continuada ou que não esteja habituado ao estudo.
    Um grande abraço e mais uma vez parabéns!

  99. Carolina Portante - Licenciatura 2º feira Says:

    A matéria sobre formação continuada é muito importante e atual, pois muitos profesores acham que não precisão se atualizar no decorrer da vida acadêmica e que o primeiro plano de aula que ele fez vai servir pro resto da vida.
    Todo profissional passa a vida todo se atualizando, porque o professor seria diferente? O professor sem a formação continuada é um profissional estagnado, sem motivação para dar aula.

    Parabéns pela matéria

  100. Lidiane Guirra (Licenciatura 2ª feira) Says:

    Olá professoras Elisa e Dinéia!

    Parabéns pela reportagem. A formação continuada é realmente uma ferramenta essencial para os professores, pois devemos estar sempre adquirindo novos conhecimentos. E o HTPC é uma otima alternativa, pois nada melhor do que o dialogo e a troca de experiencias para que possamos nos atualizar e com isso também pode ser gerada uma auto-avaliação, um momento de reflexão do professor sobre alguns aspectos que devem ser revistos, gerando assim o desenvolvimento de novas idéias.

  101. Erbene - Licenciatura Says:

    São Paulo, 23 de Agosto de 2009

    Profa. Elisa, parabéns pelo site o qual veio proporcionar este espaço informativo especial para conscientização do desenvolvimento do profissional da educação.

    Prof. Dinéia, parabéns pela sua atuação, gostei muito de sua visão expressa na entrevista sobre a formação continuada, você demonstra o quanto está comprometida em desempenhar sempre bem o seu papel de educadora tanto dentro como fora da sala de aula.

    Não importa a esfera de atuação daquele que quer ser realmente um bom profissional, é imprescindível a busca de informação e métodos para a atualização de conhenhecimento tanto através da interatividade com profissionais da área como através de todos os instrumentos e meios mencionados por você em sua entrevista, porque o mundo da informação avança com grande velocidade e se o educador não se disciplinar dando uma certa prioridade e atenção para sua formação continuada ele fica para trás, e além dele aqueles que dependem de sua informação para ampliar os seus conhecimentos e seus horizontes através da educação sofrerão prejuízo, proque quando temos aula com professores empenhados e de visão nós acabamos sendo influenciados por eles. O inverso também pode ocorrer, mas ainda bem que nos últimos anos tem havido um esforço maior tanto por parte do governo como por parte de alguns profissionais que tem contribuído para a melhoria da educação ainda que lentamente.

    Enfim o cidadão, o profissional é um resultado do seu meio somado ao seu esforço, o que forma e qualifica a sociedade, por isso a importancia da garantia de profissionais competentes a frende da educação bem como pais bem preparados para educar seus filhos a fim de que tenhamos uma humanidade mais capacitada, mais saudável em todos os aspectos.

  102. Priscila Martinez Milani Says:

    Muito boa esta publicação.
    A formação continuada é de suma importância na área da educação porém não é muito estimulada e muito menos divulgada. Comparo a formação continuada de um professor como a de um médico, ou seja, se o médico não continuar estudando e se aprimorando a cada dia ele torna-se obsoleto e não é capaz de continuar cumprindo o seu juramento de salvar vidas, se ele não viver em constante estudo não consegue acompanhar a evolução das doenças e portanto não estará apto para buscar a cura. Assim é um professor, pois o professor é aquele que leva o saber para todos aqueles que estão necessitados de conhecimento, assim como o enfermo esta necessitado da cura. Se aprimorar a cada dia é um dever que deve ser seguido mesmo que seja uma tarefa árdua, difícil e muitas vezes sem o reconhecimento esperado.

  103. Felipe Fuzzo - Licenciatura - Sábado Says:

    Professora Dinéia,

    Como explanado em sua entrevista, a formação continuada deve ser parte da vida profissional do educador, já que cabe a este disseminar as novas ideias e descobertas de sua área de estudos, além de constantemente aperfeiçoar sua prática pedagógica. Podemos perceber que os caminhos para a uma formação continuada são muitos, mas ainda assim muitos professores permanecem estagnados (quando o fazem em empresas privadas logo têm de deixar seus empregos). Este é um dos vários fatores que ajudam a explicar a atual situação da educação brasileira (a pública, em especial). Algo muito bem pontuado é a respeito de que o aluno se sente encorajado a estudar e prosseguir sua educação ao ter um mestre que permanece estudando – o que lembra o fato de o professor (com um trabalho positivo ou negativo) sempre será um exemplo àqueles que ensina.

    Abraços, bom final de semana.

  104. Aline da Motta Licenciatura segunda Says:

    Professora Dineia falar sobre a importância da formação continua do professor, ressalta aspectos importantes sobre o papel do professor, ampliando seu conhecimento e trazendo para momentos atuais soluções para o dia a dia, o envolvimento de outros professores assim como da própria instituição trazem para a escola professores qualificados e reflexivos garantindo a troca de experiência entre educadores e favorecendo a qualidade de ensino.
    A auto avaliação não deve ser temida e sim vista como um momento de reflexão onde o próprio professor desenvolve senso critico encima do seu trabalho levantando pontos que devem se revistos , assim como uma oportunidade de desenvolver novas idéias.
    Embora o tempo seja fator principal como argumento da falta da formação continua, o professor não deve esquecer do seu compromisso e diante dos recursos como os citados pela professoras organizar seu tempo, visando que muitas vezes de pequenas doses diárias de conhecimento de formação enriquecem o individuo sem que seja preciso grandes “paralisações” para a tomada de uma nova atitude.

    Dinéia e Elisa Parabéns pelo profissionalismo.

  105. Boaz Oliveira - Licenciatura - 2ª Feira - 19:10 Says:

    Olá Profª Elisa, parabéns pelo blog, ferramenta que está sendo usada com grande finalidade e muito aproveitamento por nós educadores. Profª Dinéia, a matéria sobre Formação Continuada é muito importante e muito atual, pois vemos que muitos professores após se formarem na universidade param por ai e não se atualizam, e sabemos que o conhecimento é construído ao longo do tempo, por meio da troca de infomações e de vivências; sabemos também que o conhecimento é gerado por meio de um processo cíclico que não tem fim, pois sempre estamos aprendendo, a cada dia. É muito importante que haja o HTPC, pois os educadores poderão trocar experiências e informações que ajudarão em muito na sua formação continuada. É importante que o professor/educador estude, questione e pesquise, para assim encontrar respostas ao embasar os seus ensinamentos e desenvolver novas reflexões sobre o assunto.

  106. Marcia Cristina licenciatura seg e sab Says:

    Acredito que desde o primeiro ano de faculdade somos alertados para o fator de que, o estudo nunca chegará ao fim em nossas vidas. Hoje como professora concordo com os professores que me deram este alerta. Pois a sala de aula, nos traz a necessidade de sempre estar em contato com a pesquisa, partindo das diversas dúvidas e questionamentos que enfrentamos no dia à dia. Não somente no que diz respeito ao conteúdo, mas também sobre como ensinar e chegar ao objetivo com aquela ou outra turma, de acordo com suas diferenças e dificuldades. E o professor por ter uma importância inigualável na contrução da sociedade tem que estar atento as mudanças e necessidades das pessoas, do mercado de trabalho e dos convívios sociais. Por isso a educação continuada deve e sempre fará parte da vida de todo e qualquer professor, mas é claro que os problemas existem como a falta de tempo ou dificuldades financeiras para custear não somente cursos, mas internet, outros meios de comunicação e apresentações culturais, porém a partir do momento que a “missão” professor é assumida um grande desafio também é iniciado no sentido de utilizar da criatividade e aproveitar as oporunidades gratuitas. E ter um pensamento de que nada é inválido quando se trata de conhecimento, às vezes uma palestra aparentemente insignificante pode lhe trazer grandes contribuições, idéias e contatos para outros cursos de reconhecimento e utilidade na escola.

  107. Ana Lucia-Licenciatura Says:

    Elisa tem trabalhos maravilhosos e bem complementativos para nós que estamos estudando e de alguma forma vendo como é na prática nos estágios. Os professores precisam sempre estar se reciclando e não deixando de lado os acontecimentos do dia-a-dia nas escolas, pois isso que vai complenetar para uma pesquisa, curso e outros.
    è importante tambem sempre levar para a sala de aula o que é novo, dai surge um interesse da parte do aluno que nos ajuda muitas vezes dar continuidade a um determinado trabalho.
    Um bom profissional nunca está completo, sempre esta se aperfeiçoando.

  108. Marcelo Anjos Says:

    A Formação Continuada hoje é o que todos nós enquanto futuros professores não podem deixar de buscar, pois quanto mais conhecimento conseguirmos adquirir, melhores serão os conhecimentos que iremos transmitir a nossos alunos…

    Eu concordo com a professora Dinéia que as dificuldades para este fim são muitas. Tentar conciliar conhecimento, através da Formação Continuada, com o trabalho que temos e que às vezes está longe da nossa área de atuação (como no meu caso) é complicado tentar fazer isso, mas eu busco sempre não se esquecer do meu foco e com o incentivo dos professores que eu tive eu fico mais motiva a isso e a Professora Dinéia é umas das quais incentivam isso nos alunos que cursam a Licenciatura e através deste tipo de matéria vemos a importância do que ela nos diz em sala de aula e por não ter falado isso em sala de aula a professora eu digo agora….. OBRIGADO

  109. Tiago Montaldi - licenciatura de sábado Says:

    Olá professora Dinéia!
    Muito interessante a publicação desse texto relatando a formação continuada, sendo necessário essa orientação e sempre buscando o apriporamento da sua formação. Infelizmente existe muitos profissionais que não se permitem, por inúmeras razões, a continuação e atualização da sua formação acadêmica, profissional e pessoal em toda vida. Uma citação muito interessante citada no texto:”a partir de uma reflexão sobre si mesmo e suas ações”, essa citação resume porque muitos profissionais estabilizam ou “congelam” em relação ao currículo e a metodologia, passando a ser meros profissionais.
    A busca do aprimoramento e do autoconhecimento para a formação de profissionais competentes é sempre contínua, sendo importante a formação continuada tanto no âmbito acadêmico, pessoal e profissional.

  110. Marcos José Rocha Says:

    Dinéia,
    Interessantíssima esta sua entrevista e super atual, pois, todo profissional (professor) deve levar a sério a formação continuada.
    Meu estágio de participação e regência está fazendo com que eu repense meus conceitos e reflita sobre minha atuação em cada aula, seja ela participação (poderia ter explicado o exercício de uma outra maneira para o aluno; poderia ter feito isto naquela aula; poderia ter dados mais exemplos de situações cotidianas, etc). Em cada aula apredemos algo novo e isto nos torna mais criativos para planejar as aulas seguintes!

  111. Janis de Paula (sábado) Says:

    Olá Prof.ªDinéia

    Realmente a formação continuada não pode ter fim ,pois o professor que pára no tempo acaba se acomodando e ficando cada vez mais desatualizado ,o que não é bom nem para ele e nem para seus alunos que irão reproduzi-lo;mas se o professor não estiver motivado a seguir em frente,como poderá ele motivar os seus alunos?
    Assim o professor tem de ser um eterno aprendiz e amante do que faz,sem desanimar jamais.

    Abraço

  112. Lúcia Paula S. Apro Says:

    Primeiramente, meus parabéns a professora Dinéia pela ótima entrevista cedida à revista Mundo Escola.

    A falta de continuidade dos estudos por parte da maioria dos professores, principalmente os de escola pública, ainda é um grande problema a ser solucionado em nosso país. Realmente são muitas as justificativas: falta de tempo, falta de dinheiro e, infelizmente, há também a falta de coragem. Concordo totalmente com o que foi exposto na entrevista da profa. Dinéia, na qual ela destaca que o bom professor procura sempre aperfeiçoar-se, atualizar-se, realizar constantes pesquisas para o seu enriquecimento cultural e a melhoria de suas aulas. É sabido que o governo do estado de São Paulo pouco investe em seus profissionais da educação e que, por isso, não devemos esperar por nenhuma iniciativa estatal. O ideal seria nós mesmos tomarmos consciência da importância de nos mantermos em contínua formação e, assim, buscarmos as diversas alternativas existentes dentro de nossas possibilidades.

    Elisa um grande abraço e mande lembranças para a Teresa também. Lúcia do curso de espanhol (São Judas).

  113. Tatiana Martins Says:

    A liberdade, em todos os seus aspectos, é adquirida através do conhecimento. Para se atingir e/ou se aproximar o mais perto possível das exigências atuais da nova concepção de educador é imprescindível a formação continuada, a busca e a efetivação da atualização do profissional nos aspectos relacionados ao seu trabalho. É muito importante também que o cidadão e professor amplie sua visão no que diz respeito às potencialidades e limitações do ser humano.
    Fundamental também é a observação contínua e atenta da prática em sala de aula a fim de identificar acertos e na medida do possível corrigir falhas.
    Assim como o ser humano, o professor não está pronto nem tampouco acabado- palavra estranha diga-se de passagem-, o profissional está e deve estar em constante formação.

  114. Camila Nascimento Freitas - Licenciatura Says:

    Profª Dinéia,
    Concordo plenamente com a reportagem, é fundamental que o educador avalie constantemente seu trabalho, corrigindo suas falhas e preparando-se para melhorar como profissional. Porém, infelizmente a realidade de muitas escolas ainda não é essa. O que se vê é inúmeros professores, diretores e coordenadores carregando resquícios de uma educação autoritária, onde o mestre é detentor de todo conhecimento.
    Ainda há muito o que se fazer para tornar a avaliação continuada uma realidade escolar.
    Parabéns pela reportagem. Estarei divulgando à todos os meus colegas educadores.
    Elisa, Parabéns pelo blog, iniciativas como essa fazem a grande diferença.

  115. Daniela Licenciatura 2ºFeira Says:

    gostei do que foi dito na matéria, na minha opinião o professor deve sempre continuar aprendendo, se atualizando até mesmo para honrar a profissão que ele escolheu. todos temos prioridades no meio profissional e quando uma pessoa escolhe ser professor é necessario que ele saiba que suas escolhas vai refletir num ambiente exterior com muita força. Pois o crescimento de uma nação depende do professor que hj em dia não só ensina, mas que educa, que cuida, que vigia…. Estar atualizado deveria ser lei.

  116. Luciana Nobre Deliza Says:

    Muito boa esta matéria aonde nos lembra o quanto é importante os professores estarem sempre se atualizando.
    O mundo, hoje, se caracteriza pelo processo acelerado de geração de novos conhecimentos em praticamente todas as áreas, é imprescindível estar a par dos acontecimentos do dia, e por isso, para muitos, parece impossível manter o professor atualizado sobre o mundo, as novas tecnologias, política, ética e sobre a sociedade em si uma vez que elas estão sempre evoluindo.
    Para resolver isto, temos que colocar a mão na massa, afinal a falta de informação dos professores acaba atrapalhando o vínculo entre eles e os alunos. Agora quando buscamos novas informações conseguimos estimular a participação e a interação destes alunos.
    Quando não nos atualizamos tornamos as aulas rotineiras e sem atrativos. Por isto precisamos nos renovar a cada momento. Temos que deixar de ser passivos. Temos que nos manter sempre jovens. E temos enfim que lembrar que estar capacitado a ser um professor é fazer e nos engajar no mundo atual, e assim conduzir os alunos à intimidade do novo, do diferente, do interessante e da vida.

    (Aluna de licenciatura, sábado ,USJT)

  117. Meire - Licenciatura Says:

    Percebemos que atualmente estão ocorrendo muitas iniciativas para o oferecimento de um ensino de qualidade; seja pelo MEC, seja pelas secretarias municipais de ensino: pelos responsáveis desta área. Trata-se de um grande desafio, pois desde que se iniciou o processo de democratização do ensino a demanda de alunos aumenta a cada dia, ofertar um ensino de qualidade em todo o sistema não é uma tarefa de fácil solução. É preciso no entanto ressaltar que os profissionais envolvidos nesse processo estejam otimistas e engajados nessas mudanças que visam à melhoria para todos: alunos, professores, escola e comunidade. Ao educador, peça essencial assim como o aluno, cabe estar preparado para contribuir efetivamente e, principalmente, ter a consciência de que investir em sua formação continuada é um aspecto fundamental para bem exercer sua função. As mudanças, inovações ocorrem a todo instante, aquele profissional que termina seu estudo na graduação, não está apto a desenvolver seu trabalho de acordo com as exigências do mundo moderno, é preciso aprimorar seus conhecimentos, trocar experiências, buscar novas alternativas; enfim, esforçar-se, ser um eterno pesquisador. Sendo assim, para que no futuro possamos desfrutar de uma educação qualitativa não basta que o governo envie material didático atualizado a todos os alunos, aumente em um ano o Ensino Fundamental, ofereça capacitação aos docentes; sem que os educadores se envolvam nessas mudanças e estejam preparados para participar ativamente desse processo, a renovação dificilmente ocorrerá. A formação continuada é a base de todo o projeto, o profissional deve repensar sua atividae de maneira reflexiva como defende Isabel Alarcão além de outros autores de grande importância, é uma escolha importante que fica a critério de cada profissional.

  118. Roberta Cristina de Jesus - Licenciatura segunda-feira Says:

    Olá Professora Elisa e Dinéia,

    Primeiramente gostaria de parabenizar a professora Elisa pelo blog, sempre atualizado, criativo e com diversas informações e dicas muito interessantes. Parabéns!
    Prof. Dinéia gostei muito da matéria, e concordo plenamente.
    Acho que a formação continuada deveria ser um compromisso que todo e qualquer profissional deveria assumir consigo mesmo.
    Os educadores tem a grande responsabilidade de formar futuros cidadãos, e são formadores de opinião. Por esse motivo é imprescindível que os mesmos procurem sempre se reciclar, estudar, ter humildade para aceitar mudanças, acompanhar á época atual.
    Atualmente as escolas públicas apresentam diversos problemas, mas independente disso acredito que a mudança deverá partir de cada profissional da educação, ou seja não ficar esperando passivamente que a mudança ocorra de algum lugar, mas sim fazer a diferença através do seu próprio exemplo e atuação como profissional.
    Roberta Cristina de Jesus (aluna da prof. Dinéia USJT)

  119. Juliana Maria Mendes Says:

    Minha visão sobre a educação continuada é que os professores precisam acabar com essa mentalidade “miserável” reinante entre muitos docentes, que esperam praticamente tudo do governo quando o assunto é educação. Embora esta seja dever do Estado e da família, entendo que a formação continuada não pertence a esse tipo de educação, e sim àquela que o próprio profissional deverá buscar, com vistas ao seu crescimento. Colocar as esperanças nas famosas Orientações Técnicas oferecidas pelas Diretorias de Ensino não é suficiente. Além disso, antes de alegar que ganha pouco, cada professor deveria refletir se seu nível de conhecimentos preenche os requisitos de uma vaga que oferece a alta remuneração que ele tanto almeja.

  120. Joara Fernandes Santos - Licenciatura 2ª feira Says:

    É muito interessante a entrevista, e fico muito feliz em ver profissionais que nos orienta a um assunto tão importante, pois creio que só a educação pode transformar nosso país em um país mais justo para todos e quem melhor que o professor para dar esse exemplo pois ele é uma figura de estrema importancia na vida de cada aluno, e também se ele não tiver atualizado, sempre ira ter a mesma conduta, sendo assim não terá transformação e a sociedade vive em constante transformção, por isso é muito importante a formação continuada para que o professor leve essa constante transformação para sala de aula, como Guimarães Rosa diz: “Mestre não é quem sempre ensina, mas quem derepente aprende”.

  121. Marcio Rovai - Licenciatura 2 Feira Says:

    Prof. Dinéia…
    Gostaria primeiramente de te parabenizar pela matéria. E gostaria de comentar a importância de uma formação continuada, onde o professor deve estar em contínuo aprendizado até porque muitas coisas novas estão acontecendo, novas descobertas, pesquisas, etc. Também acho que não é uma tarefa fácil para o docente, como você citou muitos trabalham de manhã e a tarde, dificuldades na família, uma péssima remuneração e com isso temos professores desmotivados e pensando mil coisas e deixando de lado suas aulas e alunos. Sua dica para “como fazer” realmente é muito válida e já é um bom começo, tive a oportunidade de participar de alguns HTPC e realmente é muito válido as ideias que são passadas na reunião, mas ai entra a questão de um professor reflexivo onde ele possa analisar e refletir sua conduta em sala de aula se ele não for não vai adiantar em nada, vai ser apenas um reunião.

  122. Ana Paula Ferreira Says:

    Gostei muito da matéria. A formação continuado não é apenas importante, é imprescindível nos dias de hoje, em que as mudanças acontecem muito rápido, e tanto o professor quanto qualquer outro profissional precisa se atualizar continuamente. É muito importante fazer artigos a respeito disso para alertar os professores que ainda não acordaram.

  123. Carlos Mateus Boarini Says:

    Caras Professoras Elisa e Dinéia,
    A presente matéria é bastante oportuna para o tema formação continuada e corrobora o que Paulo Freire dizia em 2001: “Ninguém começa a ser educador numa certa terça-feira às quatro horas da tarde. Ninguém nasce educador ou marcado para ser educador. A gente se forma, como educador, permanentemente, na prática e na reflexão sobre a prática.”
    Sabemos que ninguém nasce sabendo, logo a prática nos dá a sabedoria, e neste ponto Paulo Freire contribui com a seguinte colocação: “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática.”
    Grato, Carlos (Licenciatura sábado USJT)

  124. ROBERTO FURLAN Says:

    Dinéia, penso que tudo depende do professor e de sua vontade, ou seja sua motivação.
    Se eu professor estiver motivado para o “aprendizado” estarei também motivado para o “ensinar”.
    Como disse Prof. José Pacheco da Escola da Ponte, “ O professor que ama o que faz, não espera ganhar um ótimo salário para fazê-lo bem, ensina porque gosta e isto é sua motivação”
    Espero que nós professores, façamos o mesmo.
    Aprendo e busco novos conhecimentos por que gosto e preciso disto, e quem gosta de aprender, também se motiva para o ensinar e transmite o que aprendeu a seus alunos.
    O professor que não ensina o que sabe, é porque desistiu dele mesmo e de seus sonhos. Professor pense nisso!

  125. Maira- Licenciatura- 2° feira- 17h20 Says:

    Prof. Dinéia

    Acho de grande valia artigos, textos, entrevistas ou qualquer tipo de material que ressalte a grande importância da formação continuada não só de professores, mas de qualquer profissional competente e que esteja comprometido com a sua profissão e com o seu papel no mundo. Nada no mundo é permanente e imutável, pois este está sempre se desenvolvendo e modificando naturalmente. Cabe a cada pessoa a busca dos meios necessários para o acompanhamento destas mudanças, principalmente o professor que é a base da cadeia de muitos profissionais e vidas do planeta Terra. A busca do conhecimento e aperfeiçoamento pode ser um tanto desestimulante, porém o esforço é gratificante perante o sucesso do nosso trabalho.

    Parabéns pela matéria e pelo blog!!!

  126. Rafael Geraldo Licenciatura 2ª feira- 17h20 Says:

    Olá Profª. Dinéia,
    De acordo com o texto acima, acredito que deve-se pensar também na realidade que os professores estão inseridos. Além da política existente em nosso país, muitos acabam se “acomodando” e assim tornam-se profissionais estagnados. Todas as pessoas devem refletir sua prática e formas de ação para assim contornar algumas situações.

    Parabéns pela matéria.

  127. Rafael Geraldo Licenciatura 2ª feira- 17h20 Says:

    Olá Profª. Dinéia,
    De acordo com o texto acima, acredito que deve-se pensar ta

  128. Maira- Licenciatura- 2° feira- 17h20 Says:

    Prof. Dinéia

  129. Maria Isabel - Licenciatura Says:

    Todas as palavras proferidas pela Profa. Dinéia, a respeito da formação continuada, têm valor comprovado. Mas, infelizmente, entre a classe dos professores, não é o que presenciamos. Sou aluna da Profa. Dinéia, e faço estágio em escolas públicas. A maior parte dos professores que estão na ativa e com quem mantenho contato, nao se preocupam em continuar aprendendo. Sabem que deveriam, mas se sentem desmotivados. Alegam uma série de fatores que por eles mesmos não se justificam, como baixos salários, alunos indisciplinados, não reconhecimento profissional etc. Os profissionais que conseguem sair desse conjunto de “desculpas”, normalmente se destacam na própria escola, com o reconhecimento dos alunos, e em outras instituições em que lecionam. Esses professores, em sua maioria, além da escola pública, trabalham em escolas privadas. Essa pequena análise, sem valor científico, pode nos levar a acreditar que a motivaçõ para a formação continuada do professor está em ele ser cobrado pelo seu trabalho. Talvez assim, poderá saber como angariar recursos, não necessariamente financeiros, para o aperfeiçoamento de sua formação, também terá a capacidade de se autoavaliar, e, consequentemente, saberá da importância da troca de experiências entre seus pares. Todos os docentes deveriam ler a reportagem “É aprendendo que se ensina”. Mas será que têm tempo?

  130. Nathália Fávero Jacobsen Venaglia Says:

    Fico muito feliz quando me deparo com reportagens como essa, pois muitos dos brasileiros acreditam ser normal a realidade da educação e têm a certeza de que não podem fazer nada. E o pior, parte deles são cidadãos que trabalham arduamente para preservar sua horna e sobreviver, é uma pena essa falta de consciência.
    E se fosse só isso, ainda seria bom. O mais lamentável é que falta essa consciência para muitos professores que já estão nas salas de aula, muitos deles sequer sabem o que é formação continuada e julgam ser as leituras de livros, como os de Paulo Freire, perda de tempo, utopia. E são neles que colocamos nossa esperança.
    Porém, gostaria de parabenizar a profesora Elisa, pelo belíssimo blog, que colabora para a veiculação de informações tão importantes; e também vão aqui os créditos à professora Dinéia, que semeia tais pensamentos a cada dia.
    E como tudo tem seu lado bom, eu sou um exemplo de cidadã consciente, a caminho de ser uma educadora do tipo que o Brasil precisa: que acredite na formação continuada, seja reflexiva e fique longe do conformismo.

    Abraços.

  131. Samantha Fares - LICENCIATURA Says:

    Gostaria de parabenizar o blog pelas excelentes materias postadas, e comentar sobre a matéria da professora Dinéia, sempre é bom reforçar a importancia da reflexão e da auto avaliação do professor, não entendo como possa haver progresso na relação ensino aprendizagem sem que haja essa postura do profissional, estarmos sempre antenado as novidades e nunca deixar de estudar proporcioná aos nossos alunos um ensino de maior qualidade, com mais conhecimento e informação… Formar cidadãos conscientes e criticos é uma tarefa muito importante e muito série por isso mãos a obra professores!!!! Mais uma vez Parabéns pela matéria!!!

  132. ARETI COLLARO-LICENCIATURA 2ª feira Says:

    Professora Dinéia,
    Com relação a sua matéria aqui publicada, acredito que mais do que uma formação continuada para um bom desempenho do professor em sala de aula, ele deveria saber que jamais está completamente pronto, “redondo” quanto aos seus conhecimentos em determinada matéria – ainda existe um traço de autoritarismo estigmatizado no inconsciente do professor – deveria assumir, ter a humildade de compreender que necessita constantemente autoavaliar-se, refletir suas práticas pedagógicas e a partir daí preparar-se para melhorar suas aulas. Claro, que não se pode dizer que apenas o professor tem culpa nos problemas de ensino. Nossos politicos e governantes por muito tempo abandonaram a Educação, culpando os professores pelo mau desempenho dos alunos. Os governantes não perceberam e não querem perceber que a grandeza de uma nação se faz pelos livros, pela educação, como dizia Monteiro Lobato.
    Parabéns, professora Dinéia pela matéria e professora Elisa pelo Blog muito interessante para nós da área da Educação.

  133. Areti Collaro-Licenciatura 2ª feira Says:

    Profª Dinéia,
    Com relação a matéria de sua entrevista à Revista Mundo Escola, acredito que mais que a formação continuada, preparação e estudo contínuo, o professor precisa estar consciente e ter a humildade de saber que jamais estará pronto, “redondo”, quanto ao seu conhecimento. Muito se tem mudado quanto a maneira de se transmitir os conteúdos de uma disciplina, porém ainda existe impregnado no inconsciente do educador um traço de autoritarismo que o impede de assumir a sua falta de preparação em determinado assunto. Se o fizesse com certeza se prepararia mais. Claro, que não é só o professor responsável pelo seu despreparo, há também que se lembrar que há muito tempo não se tem pensado e investido de forma contínua e responsável na Educação. Nossos políticos e governantes não perceberam (e não tem interesse )que um país se faz com livros, como já dizia Monteiro Lobato.
    Parabéns, professora Dinéia pela ótima matéria e a professora Elisa pelo seu blog tão instrutivo.

  134. Marcela Gouveia Says:

    Boa noite Profa. Elisa e Profa. Dinéia.
    Acredito que todos os professores deveriam ter formação continuada, usar o tempo para estudo, atualizações e até mesmo para “unir esta classe tão grande de profissionais” e porque não cobrar melhores salários e direitos. Qualquer bom profissional passa toda a vida se aperfeiçoando, porque entao seria diferente com o professor? Logo ele que tem um papel tao fundamental na formaçao de cidadãos?
    Obrigada
    Marcela Gouveia
    (aluna da profa. Dinéia USJT)

  135. Nelson Aguiar Says:

    Olá Elisa e Dinéia, como estão?
    Elisa, parabéns pelo seu site e trabalho.
    Dinéia, concordo plenamente quando você afirma: “Esta lhe aponta caminhos, fornece conceitos e idéias, a matéria-prima de sua especialidade. O resto é por sua conta. Muitos professores, mesmo tendo sido assíduos, estudiosos e brilhantes, tiveram de aprender na prática, estudando, pesquisando, observando, errando muitas vezes, até chegarem ao profissional competente que são hoje”. E acrescento que isso não é somente para a pedagogia, mas em todas as turmas, e muitos alunos chegam na faculdade com a falsa visão que aprenderão tudo e mais um pouco na faculdade; e quando saírem não precisarão buscar mais nada para sua formação. Acredito que isso é um dos motivos que leva ao grande índice de desistência nos primeiros anos de faculdades.

    Acredito também que hoje, é difícil encontrar uma instituição que pague pelo verdadeiro tempo utilizado pelo professor para preparar e avaliar a os trabalhos de forma contínua. Uma idéia que estou tentando implementar para os professores onde trabalho, são cursos de capacitação interna, onde qualquer professor pode oferecer um curso de sua especialidade.
    Abraços a Elisa e a Dinéia, muitas saudades do tempo do CAAM.

  136. Flávia Mendes Says:

    Oi Elisa…
    Venho parabenizá-la pela excelente qualidade do seu blog…
    Essa reportagem da Profª Dinéia fez com que me lembrasse das aulas da Licenciatura e, consequentemente, das aulas dela…
    Que saudade!!!
    Gostei bastante quando a Profª Dinéia coloca a importância da HTPC, que na maioria das vezes é usada como hora do cafezinho e de bate-papo…
    Um tempo precioso jogado fora…
    Profª Dinéia, obrigada pelas suas explicações que, como sempre, nos ajudam a esclarecer dúvidas e encontrar caminhos para o aprimoramento…
    Elisa, obrigada por abordar assuntos tão importantes e que nos levam a uma reflexão constante…
    Um grande beijo às duas…

  137. margaretebarbosa Says:

    Olá, Profa. Elisa!
    Quero parabenizá-la pela inciativa de colocar no seu Blog a entrevista da Profa. Dinéia!
    Li a entrevista e realmente o tema abordado é muito importante!
    É muito bom para nós, professores e professores recém formados ( e em formação), sermos ‘lembrados’ da importância e da necessidade de sempre estarmos atualizados. É indispensável ficarmos “antenados” e ousarmos em nosso trabalho. Tenho aprendido isso com meus professores da Pedagogia e também com minha trajetória de Vida, e acredito que todos os nossos colegas professores têm muito a contribuir quando buscam novos conhecimentos e informações.
    Um grande abraço!

    Margarete Barbosa

  138. Letícia Pastrolin Bernardo Says:

    Tive a sorte de ter sido aluna dessa professora maravilhosa que é a professora Dinéia.
    Com ela aprendi muito a respeito da educação e de como ser uma ótima profissional, no ensino.
    Gostei muito do tema abordado pela Elisa, principalmente por ter feito a matéria com uma excelente educadora.
    Ambas estão de PARABÉNS!!!!

  139. Carlo Vincenzi Says:

    Cara professora Elisa KERR o seu blog está muito bem elaborado. As matérias postadas são de grande interesse da área educacional. O texto da entrevista da professora Dinéia Hypolitto vai ser trabalhado por mim em capacitação continuada de professores da educação básica. Está claro e muito bem escrito. Parabéns ! prof. Prof. CARLO

  140. Amanda Says:

    Elisa parabéns pelo seu blog. Realmente ele apresenta matérias fantásticas e uma delas é a da professora Dinéia. O verdadeiro educador é aquele q não pára nunca de estudar. Este deve estar antenado em tudo. Como sempre a professora Dinéia mostrou que é phd naquilo que se compromete. Só quem conhece sabe o quão competente é e além disso é uma pessoa extraordinária.
    Professora Parabéns……..Vc é maravilhosa….

  141. Prof.ª Grazielle Medeiros Says:

    Olá Elisa, faz um tempinho que não passo aqui e deixo um comentário, desculpe-me é a correria e sei que vc está assim também rs rs rs.
    Li o trecho onde a Prof.ª Dinéia fala sobre a Educação Continuada, sim, pertinente, é a pura realidade os pontos comentados…precisamos como profissionais da educação termos o pulso firme e forte para enfrentarmos quaisquer dificuldades para o crescimento do processo de ensino/aprendizagem.
    Beijos

  142. Giulliana Says:

    Olá Elisa, td bom?
    Super legal vc colocar em seu blog a entrevista da professora Dinéia para a Revista Mundo Escola, além de mto boa é uma importante fonte para pesquisa sobre formação continuada.
    É mto bom poder contar com vc e com a professora Dinéia na nossa formação.
    Bjs
    Giu

  143. Luiz Cremonezi Says:

    Cara Professora Elisa Kerr estou revisitando o seu Blog, e devo confessar-lhe que é um local prazeroso e de muito enriquecimento para as nossas pesquisas. Excelente as duas matérias colocadas por você sobre Formação continuada e HQS . A professora Dinéia Hypolitto sempre nos brindando com textos bem didáticos e práticos.professor Luiz cremonezi

  144. Rosangela Says:

    Caríssima!
    Que maravilha de postagem! Tenho um blog que tem como objetivo dar subsídio aos educadores de forma geral sobre a importância da Formação Continuada. Estarei aproveitando sua postagem para colocar àqueles que me acompanham a par de tais colocações. Não se preocupe todos os créditos serão citados e indicarei seu blog na minha lista de prediletos! A partir de hj sou sua mais nova seguidora!
    Ah! qual o nome do blog ou site da Professora Dinéia?

  145. Diva Rodrigues Cordeiro Says:

    Cara Elisa

    Ler a matéria da Mestra em Educação Dinéia Hypolitto sobre a necessidade da formação continuada publicada por essa revista fez-me recordar com saudades das aulas de Licenciatura que tive na USJT ministrada pela Mestra. Foi como se estivesse recordando seus ensinamentos na minha formação de professora..
    É incontestável a necessidade da formação continuada e que a mesma não tivesse fim.
    O que exige do educador muita força de vontade, porque as dificuldades são muitas como as citadas pela Mestra Dinéia. Poucos são os docentes que conseguem dar prosseguimento a essa formação continuada e o prejuízo se faz notório. Isso é percebido desde os primeiros contatos com o educando já no próprio estágio feito pelo docente. A frase: “…quem não reflete sobre o que faz acomoda-se, repete erros e não se mostra profissional” é a pura verdade.
    A falta de profissionalismo de muitos docentes é um dos fatores pela precariedade do ensino público, embora o problema seja mais amplo e envolva a sociedade com um todo.
    As HTPCs contribuem para essa formação continuada, além de proporcionar um trabalho coletivo pelos docentes para sanar muitos problemas que surgem no percurso da jornada como educador.

  146. manupink Says:

    QUERIDA AMIGA DINÉIA HIPÓLITtO, PARABÉNS PELA REPORTAGEM, ACREDITO MUITO NOS RESULTADOS QUE UMA FORMAÇAO CONTINUADA ATRIBUI, PARA OS PROFISSIONAIS QUE SE DEDICAM A CARREIRA DE SUCESSO!!!!!
    ESTA TEMÁTICA É MUITO GOSTOSA PARA SER ESTUDADA E ANALIZADA, TENHO INTERESSE EM CONCRETIZAR MINHA MONGRAFIA COM ESTE ASSUNTO TAO INSPIRADOR E AO MESMO TEMPO NOS REMETE A VÁRIOS QUESTIONAMENTOS QUE ME ENCANTAM.

    ELISA MUITO BOM SEU BLOG, CONTINUA SEMPRE NOS INFORMANDO SOBRE O MUNDO DA PEDAGOGIA E SEUS MISTÉRIOS!!!!
    PARABÉNS!!!

    MANUPINK

  147. Camila Ornelas Says:

    Cara professora Elisa,
    Fui aluna da professora Dinéia Hypolitto e apreciei muito seu blog e a entrevista por ela dada. A formação contínua do professor deveria ser encarada como parte indispensável de sua carreira no magistério. O professor que estaguina pára no tempo, deixa de ser interessante para seus alunos e perde-se na própria prática ante à novos desafios. Hoje, os espaços de formação em grupo são essenciais para garantir um mínimo de formação de que necessita o professor dentro do seu ambiente de trabalho. A este deveria ser dada total atenção e importância, embora não é o que temos presenciado na maioria das escolas… Infelizmente!…
    Muito oportuna a matéria em questão!
    Parabéns à professora Dinéia pela carreira de Mestre, pela excelente entrevista e por toda essa jornada. Sinto-me orgulhosa de ter sido sua aluna.
    À professora Elisa, parabenizo pelo blog, ferramenta mais que oportuna para manter professores como nós sempre atualizados!

    Abraços,
    Camila Ornelas – Professora de Educação Infantil da Rede Municipal de São Paulo.

  148. Claudette Braga de Macedo Andreassa Says:

    Cara Professora Elisa
    Incrível como você consegue não só manter o seu blog atualizado, mas com qualidade também.
    A diversidade dos assuntos faz com que o blog seja bem dinâmico e por isso tão gostoso de ver.
    Li a entrevista da Profª Dinéia Hypolitto e gostei bastante.
    Notei o seu envolvimento e a sua preocupação em ressaltar, com insistência até, a necessidade da formação continuada do professor, como também a de refletir sobre suas ações na prática.
    Por isso que ela é uma profissional diferenciada, pois faz tudo com muita responsabilidade e muito amor, procurando aplicar essa sensibilidade na sua formação.
    E o conteúdo dessa entrevista serve para qualquer área do ensino, por isso é importante para mim também.
    Achei interessante a matéria sobre HQs, com comentários também da Profª Dinéia Hypolitto, que aborda a sua inclusão no programa do governo, por ser um grande estímulo ao hábito da leitura e ao desejo de se desenhar personagens, desenvolvendo, assim, a criatividade.
    Abraços
    Claudette Braga de Macedo Andreassa, Educadora Musical

  149. Angio Vincenzi Says:

    Professora Elisa gostaria primeiramente de cumprimentá-la pelo seu Blog, rico e de muita qualidade para pesquisa . Gostei muito do texto sobre formação continuada, de Dinéia Hypolitto, e seria muito interessante que alguns professores implementassem mudanças no seu dia a dia , após os encontros com os seus pares no ambiente de trabalho.Professora Angio Vincenzi

  150. Eli Bendito Says:

    “A formação continuada é um processo que não pode ter fim”, diz a educadora Dinéia Hypolitto, e realmente temos que concordar que isto também serve para a vida pessoal dos professores, pois só paramos de aprender quando morremos.Elisa o seu blog está muito bom e educativo. Professora Eli Bendito – Rede Pública municipal de São Paulo.

  151. Beatrice Petrovich Says:

    Professora Dinéia Hypolitto,o seu texto ficou muito interessante e objetivo, concordo que o professor que não reflete sobre a sua prática fica estagnado.Elisa gostei muito de conhecer o seu Blog.tem muitas matérias interessantes. parabéns ! Beatrice Petrovich

  152. Lenita Almeida Says:

    Olá Professora Elisa, quanto tempo ! Já estava com saudades de ler os seus posts sobre Educação. Parabéns pelo seu blog, pois como sempre prima pelo bom gosto e criatividade na escolha das matérias. O texto dessa entrevista da professora Dinéia Hypolitto me fez resgatar os meus bons tempos de formação continuada na oficina pedagógica da Rede Pública Estadual em Pindamonhangaba ,com professores da área de língua portuguesa. A professora Dinéia deixou muito claro que os professores devem se atualizar sempre, e que há muitos caminhos para tal , e gostei muito que enfatizou a reflexão sobre a prática, ou seja devemos nos autoavaliar cotidianamente para que possamos formar bons alunos e pesquisadores também. Abraços Professora Lenita C. De ALmeida- -Mestre em Educação PUC/SP.Consultora Pedagógica

  153. Wanderley Neves Says:

    Cara professora Elisa ,muito oportuna a matéria sobre a formação continuada. Estamos necessitando a cada dia mais pesquisa e estudo , para que possamos melhorar a qualidade do ensino em nossas escolas. A professora Dinéia Hypolitto foca o HTPC, e isso é a real, pois é um espaço que necessita ser reaproveitado para troca de experiências. Parabéns pelo seu blog também, que continua como sempre atualizadíssimo. Um grande abraço. Professor de História- Wanderley –

  154. denize thomaz Says:

    Olá professora Elisa kerr, gostei muito das matérias colocadas neste post. Como sempre ,o seu blog muito atualizado. A entrevista da professora Dinéia Hypolitto está muito boa. Realmente a formação contínua é para a vida toda. Abraços professora Denize Thomaz – Prefeitura Municipal de são paulo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: