Posts Tagged ‘Cidadania’

1ª etapa – “O MEIO AMBIENTE QUE IMAGINO AMAMHÔ

9 dezembro, 2009

Cada júri escolherá quatro obras de cada slides show (turma), para tal há uma enquete para cada álbum de fotos correspondente a cada turma. Os  desenhos possuem um número no canto direito que corresponde ao número ao seu número na enquete.

Atenção, você terá que atribuir seus quatros votos, em cada enquete, de uma única vez  (a enquete não permite que você a acesse duas vezes, por isso tenha em mãos os seus quatro candidatos).  Essa foi a forma que encontrei de evitar que a mesma pessoa, por engano, vote duas vezes no mesmo álbum.

SLIDES SHOW DA  6ª A

1ª Votação 6ª A – “O meio ambiente que imagino amanhã”

SLIDES SHOW DA 6ª B

1ª Votação 6ª B “O meio ambiente que imagino amanhã”

SLIDES SHOW DA  6ª C

1ª Votação 6ª C “O meio ambiente que imagino amanhã”

SLIDES SHOW DA  6ª D

1ª Votação 6ª D “O meio ambiente que imagino amanhã”

Grata por sua participação.

Enquetes encerradas em 13/12/2009


O livro: entre o leitura e a preservação

31 agosto, 2009

Sexta passada, dia 28/08/09, estive na FAENAC – Anhanguera Educacional –  em São Caetano do Sul, para proferir uma palestra aos alunos de Letras e História.  Deixo aqui, conforme prometi aos alunos, um breve relato e a bibliografia para pesquisa.

A universalização do saber – um histórico das bibliotecas, a quem era permitido o acesso, como o conhecimento era desenvolvido dentro delas e o formato do livro:

  • Bibliotecas de Alexandria e Pérgamo
  • Codex – formato do precursor do livro atual;

Palavras do Abade  aos monges beneditinos copistas: “Escrevei! Uma letra traçada neste mundo vos resgatará de um pecado no céu.” (MARTINS, 2001:99).

Monge em seu exercício diário de regeneração. Jean Miélot (d. 1472) - Europa medieval, os monges reproduziam livros copiando diligentemente os textos. Este trabalho se realizava em uma sala do mosteiro denominada scriptorium, idealizada para este propósito para este propósito.

Monge em seu exercício diário de regeneração. Jean Miélot (d. 1472) - Europa medieval, os monges reproduziam livros copiando diligentemente os textos. Este trabalho se realizava em uma sala do mosteiro denominada scriptorium, idealizada para este propósito para este propósito.

  • Gutenberg (tipos móveis);
  • Incunábulos  – Livros impressos com tipos móveis entre 1455 a 1500;
  • Libellus – livros portáteis dedicados a leitura prazerosas: romances, livro de preces, etc;
  • Liberdade – Quem determina o que vamos ler?;
  • Livro eletrônico – Será que o conhecimento será universalizado?

O livro e sua história – o livro como registro da evolução histórica do homem: o conteúdo do livro,  a arte dos livreiros e a tradição dos encadernadores e colecionadores, que estão registrados em sua confecção.

Capa de De Vita Leonis Decimi Pont(*), de P. Jovius (1549), encadernado por Claude de Picques para Jean Grolier.

Evangelho de S. João (séc. VII).   A ornamentação, com linhas pintadas em azul e amarelo sobre couro vermelho, traz os entrelaços característicos do estilo celta

Capa em mosaico – técnica que utiliza recortes de couro de cores variadas, embutidos ou superpostos – realizada por Augustin du Seuil para a edição de Daphnis et Chloé pertencente ao Regente (1718).

Conservação de livros – critérios éticos dessa profissão e alguns procedimentos utilizados em livros.

Reparos em lombadas – as fragilidades da lombada do livro e um exemplo de conservação.

Acondicionamento inadequado – de livros; documentos enrolados; documentos dobrados; douração manual.

Educação patrimonial – a importância de começarmos esse trabalho na infância.

Sugestão de sites para pesquisa

http://bichopapel.blogspot.com

http://www.ateliermachado.com.br

http://www.comphap.uns.arq.br

http://www.escritoriodolivro.com.br

http://www.moleiro.com

http://www.museu.gulbenkian.pt

http://www.ump.edu.br

http://www.unostiposduros.com

http://pt.wikipedia.org/wiki

Esse blog – art|educando – também possui várias publicações sobre livros, encadernações e dicas de como conservar seus livros.

Bibliografia

ARANTES, Antônio Augusto. Estratégias de construção de patrimônio cultural/ Produzindo o Passado. São Paulo: brasiliense. 1984.

ASSUNÇÃO, Paulo de. Patrimônio. São Paulo: Loyola, 2003.

BECK, Ingrid. Conservação e restauro de documentos em suporte papel. In: GRANATO, Marcus (Org). Conservação de acervos / Museu de Astronomia e Ciências Afins. Rio de Janeiro: MAST, 2007, p. 54-60.

BRUNET, Rosa. MANADÉ, Maria. Como organizar una biblioteca. España: CEAC, 1986.

CANFORA, Luciano. A biblioteca desaparecida: histórias da biblioteca de Alexandria. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora UNESP/ Imprensa Oficial do Estado, 1999.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Lisboa: Edições 70, 2000.

GRANATO, Marcus (Org). Conservação de acervos/ Museu de Astronomia e Ciências Afins. Rio de Janeiro: MAST, 2007.

CRUZ, Anamaria da Costa; MENDES, Maria Tereza Reis. A Biblioteca: para o técnico e suas tarefas. Niterói: Intertexto, 2000.

Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo. O direito a memória: patrimônio histórico e cidadania. São Paulo:DHP. 1992

EL FAR, Alessandra. O livro e a leitura no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1970.

FEBVRE, Lucien; Martin, Henry-Jean. O aparecimento do livro. Trad. Fúlvia M. L. Moretto, Guacira Marcondes machado. São Paulo: UNESP, 1992.

FLOWER, Derek Adie. Biblioteca da Alexandria – As histórias da maior biblioteca da antiguidade / Tradução de Otacílio Nunes e Valter Ponte. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

FONSECA, Edson Nery da. Introdução a biblioteconomia. São Paulo: Pioneira, 1992.

GUTHS, Saulo e CARVALHO, Claudia S. R. Conservação preventiva: ambientes próprios para coleções. In: GRANATO, Marcus (Org). Conservação de acervos/ Museu de Astronomia e Ciências Afins. Rio de Janeiro: MAST, 2007, p. 25-44.

HOURANI, Albert Habid. Uma história dos povos árabes. São Paulo: Companhia das Letras, 2001

JEAN, Georges. A escrita – memória dos homens. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras. 1997.

MARTINS, Wilson. A palavra escrita– história do livro, da imprensa e da biblioteca. São Paulo: Ática, 2001.

MORAES, Rubens Borba de. Livros e Bibliotecas no Brasil Colonial. 2 ed. Brasília: Briquet de Lemos/ Livros, 2006

SCHWARCZ, Lilia Moritz. A longa viagem da biblioteca dos reis: do terremoto de Lisboa à independência do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

VALENTE, Maria Esther. A conquista do caráter público do museu. In: GOUVEA, Guaracira; MARANDINO, Martha; LEAL, Maria Cristina (Orgs.). Educação e museu: a construção social do caráter do educativo dos museus de Ciências. Rio de Janeiro: Access, 2003.

VII Semana de Museus da USP

5 janeiro, 2009

Fonte:  aber.org.br

Com tema “O museu na cidade e a cidade no museu”, Semana dos Museus da USP será realizado entre 27 e 30 de abril de 2009 no Anfiteatro Camargo Guarnieri

APRESENTAÇÃO

A Semana dos Museus da Universidade de São Paulo é uma iniciativa da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão, juntamente com o Centro de Preservação Cultural e os museus estatutários da USP – o Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE), o Museu de Arte Contemporânea (MAC), o Museu Paulista (MP) e o Museu de Zoologia (MZ). Trata-se de um evento bienal de cunho científico-cultural, cuja primeira edição ocorreu em maio de 1997, coordenada pela então Comissão de Patrimônio Cultural da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão, que, em 2004, transformou-se no atual Centro de Preservação Cultural (CPC-USP).

TEMÁTICA

O tema proposto para VII Semana de Museus da USP – “O museu na cidade e a cidade no museu” – está ligado à tendência, perceptível desde a década de 1990, de um expressivo adensamento da criação ou reformulação de museus em cidades de todo o mundo. Tornados ícones de intervenção urbana, vários deles foram considerados responsáveis pela reorientação funcional de áreas esvaziadas economicamente ou em degradação física.

O tema traz reflexões sobre outras estratégias de intervenção que levaram à própria musealização de espaços urbanos, apontando ou não para sua mercantilização, processo muitas vezes estreitamente ligado à rigidez da compreensão institucional de seus indicadores patrimoniais e à exclusão de habitantes.

PÚBLICO ALVO

A Semana dos Museus da USP destina-se a profissionais atuantes em museus e instituições afins, bem como a estudantes de graduação, pós-graduação e cursos de especialização das áreas de Antropologia, Arquitetura e Urbanismo, Artes Plásticas, Biblioteconomia, Ciências Ambientais, Ciências Biológicas, Documentação Museologia, Etnologia, História, Sociologia e público interessado em geral.

CHAMADA PARA COMUNICAÇÕES

A VII Semana dos Museus realiza chamada para envio de comunicações por parte de profissionais e estudantes da área de museus. Foram estabelecidos temas aos quais as comunicações deverão ser vinculadas. Os trabalhos serão selecionados a partir de critérios acadêmicos e pertinência aos eixos temáticos estabelecidos. Serão priorizadas abordagens críticas dos temas propostos. As seções serão organizadas de modo a reunir comunicações afins.

1) Museus universitários e sua inserção na cidade

Museus universitários: para quem? Introversão e/ou extroversão como metas institucionais de inserção. Demandas sociais e construção de políticas curatoriais: conhecimento, métodos de diálogo, estratégias de inclusão.

2) Museus de cidade

Museus de cidade: museus de sociedades? Tempo/tempos na cidade: linearidade ou múltiplas temporalidades. Campos temáticos em alargamento: agentes sociais, meio-ambiente, tensões. Horizontes de representação: entre cristalização e dinâmicas.

3) Museus e requalificação urbana

Museus: indutores de transformação de áreas urbanas? Alavancagem turístico-cultural e desenvolvimento econômico. Instituições museais como agentes de conscientização social e/ou ambiental.

FORMATO PARA A APRESENTAÇÃO

Normas gerais para envio de trabalhos:

-Os trabalhos deverão ser enviados para o e-mail 7semana@usp.br

– Resumo expandido
-Arquivo em formato .doc (Word for Windows versão 97 ou 2003) ou .pdf. Tamanho A4, margens: superior 2.5 – inferior 2.5 – esquerda 2.5- direita 2.5, fonte arial – tamanho 11 – espaço entre linhas 1,5 – máximo de 600 palavras e mínimo de 400 palavras.
-O resumo deve conter o título da apresentação, o autor, vínculo institucional/ instituição de origem.
-Máximo de 2 resumos por 1º autor inscrito
-O resumo deve ser acompanhado de 3 a 5 palavras-chave.

-Trabalho completo
-Após análise e seleção dos resumos por parte da comissão cientifica da VII Semana dos Museus, será solicitado o envio do trabalho completo a ser apresentado durante as comunicações de acordo com a programação do evento.
-O trabalho completo deve ter no máximo 20 páginas, em formato .doc (Word for Windows versão 97 ou 2003), tamanho A4, margens : superior 3,0 – inferior 2,0 – esquerda 2.5- direita 2.5, fonte arial – tamanho 11 – espaço entre linhas 1,5 .

DATAS E PRAZOS DOS TRABALHOS PARA COMUNICAÇÕES:

Envio de resumos expandidos para seleção 15/01/2009;
Divulgação dos resumos selecionados 15/02/2009;
Envio dos trabalhos completos para publicação nos anais 15/03/2009.

INSCRIÇÕES PARA A VII SEMANA DOS MUSEUS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Preencher a ficha de inscrição on-line e enviar por correio ou fax, juntamente com cópia do comprovante de pagamento. Se for o caso enviar também comprovante da condição de estudante, membro do ICOM ou maior de 65 anos para usufruir do desconto previsto.
Site: http://www.usp.br/prc/viisemana/

Taxas
R$ 60,00 e R$ 25,00 para estudantes, membros do ICOM e maiores de 65 anos

Banco: Banco do Brasil
Agência: 1897-X
Conta: 55997-0
Código da conta: 107-4
Descrição: pagamento para a VII Semana dos Museus

OBS: os autores das comunicações selecionadas estarão isentos da taxa de inscrição na VII Semana dos Museus

INFORMAÇÕES E CORRESPONDÊNCIA

VII Semana dos Museus da USP
Centro de Preservação Cultural – PRCEU/USP
Rua Major Diogo, 353, Bela Vista
São Paulo – SP
CEP – 01324-001
Telefone/Fax: 3106-3562
Site: http://www.usp.br/prc/viisemana/

Atenção: Este evento não é promovido pela ABER, portanto recomendamos aos leitores do site interessados no evento a entrar em contato direto com a instituição responsável para confirmar datas e orientações gerais, pois podem ocorrer alterações sem que sejamos comunicados.

Data de início: 27/04/2009

Data final: 30/04/2009

CEAM – Projetos Educacionais

1 julho, 2008

No dia 25 de junho, realizou-se no Centro Educacional “Profª Alzira Altenfelder Silva Mesquita” – CEAM – uma confraternização do encerramento do primeiro semestre. São vários os projetos educacionais abertos à comunidade que funcionam sob a coordenação geral do Diretor do Centro de Extensão – Fernando Ferrari Duch. Esses projetos se realizam em dias e horários diversos e, apesar de estarmos no mesmo ambiente, os projetos se distribuem pelas várias salas de aula do campus da Universidade São Judas Tadeu.

Essa confraternização é realizada justamente para integração de todos os participantes, professores e coordenadores envolvidos nesses projetos.

Os projetos foram apresentados por alunos (monitores) dos cursos de Formação de Professores e Pedagogia.

A Arte de Encadernar

O projeto tem por objetivo capacitar os participantes na arte da encadernação de livros, com princípios de conservação cultural. Foi ministrado por Elisa Kerr.

Reflexões do Cotidiano

É direcionado aos alunos do ensino médio. Desenvolve nos participantes o estilo reflexivo ao analisar temas do cotidiano. Parabéns, Mª Julieta Bertazzi, por esse trabalho tão importante junto aos nossos jovens.

Dança Circular

Quanta leveza e graça esses alunos nos transmitiram ao dançar!

Parabéns, Tatiana L. Pricoli e Alan José da Silva com as danças circulares, as quais têm se destacado muito.

Mãos que Criam

O projeto é especial, pois os alunos estão criando peças de decoração lindas. Vocês precisam ver o que os alunos fizeram – mosaicos, biscuit e decoupage. Parabéns, Verônica Araujo Castilho pelo belíssimo trabalho realizado com seus alunos.

Saberes e Sabores

É literalmente o mais gostoso! Todas as suas apresentações trazem guloseimas deliciosas para degustarmos e, conseqüentemente, aprovarmos o projeto. Os quitutes são feitos pelos próprios participantes, que fazem isso com muito carinho e dedicação. Parabéns, Marissol Richter e Alain Tamine .

Os projetos acima foram coordenados pelos professores Dinéia Hypolitto e Ubajára S. Oliveira, dos cursos de Formação de Professores e Pedagogia.

Alfabetização Digital

Puxa! Que bonito ver as pessoas em busca de seu aprimoramento, reconhecer suas dificuldades perante a tecnologia e superar esses desafios! Parabéns, prof.ª Elaine C. Gallo e às coordenadoras prof.ª Neusa S. Costa e Zenaide Caciare Pereira, dos cursos de Formação de Professores e Pedagogia.

Quero parabenizar todos os participantes dos projetos, pois vocês são a razão de ser do CEAM.

Outros projetos, os quais não mencionei, devido estarem encerrando apenas no final do segundo semestre, vale a pena conferir no site USJT .

Caso queira maiores informações, entrar em contato com a secretária do CEAM – Mª Tereza K. Uehara , pelo telefone (11) 2799-1922.

Confira algumas das fotos da entrega dos atestados, no dia 27 de junho, dos participantes que concluiram os projetos do primeiro semestre/2008 do CEAM.

Parte da equipe do CEAM

As novas tecnologias e a escola

1 julho, 2008

Há algum tempo, tive a oportunidade de ouvir uma entrevista do prof. José Pacheco, lá da Escola da Ponte em Portugal. É interessante como o professor retrata claramente o que é ensinado nessas aulas e o que os alunos deveriam aprender e não aprendem.

Na verdade, ele comenta sobre os desvios e os enganos quanto ao conceito de usar as novas tecnologias em sala de aula.

Clique aqui para assistir ao vídeo. Tenho certeza de que você vai gostar!

Uma das falas do professor de que mais gostei foi : “…educar a criança no exercício da cidadania, e não para o ser um cidadão daqui a 20 anos. Com ou sem tecnologia”. Ou melhor, não adianta ensinar ao educando as novas tecnologias e não o conscientizar para a cidadania.

30 de abril, dia do quadrinho nacional

29 abril, 2008

Hoje visitei alguns blogs e encontrei esse: “tecendoCidadaniacomARTE”. Nesse artigo, a autora explica, com muita clareza, como se constroem histórias em quadrinhos. Visite, você vai gostar das outras matérias também!

Maria Perpétua Teles Monteiro define seu espaço assim:

Espaço destinado a discussão sobre cidadania ativa no ensino-aprendizagem de arte e vivências da arte em âmbito escolar. Servirá de portal para as atividades desenvolvidas no Centro de Ensino Experimental de Garanhuns-CEEG(SEE/PROCENTRO) com turmas de Ensino Médio.